O QUE É ÔMEGA 3:

Ômega 3 é um composto de ácido alfa-linolênico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosa-hexaenoico (DHA). Esses são ácidos graxos poli-insaturados e essenciais, ou seja, que não são produzidos pelo organismo e precisam ser adquiridos por meio da dieta. Na alimentação, podem ser encontrados em óleos de peixes de águas frias, como sardinha e salmão, além de óleos vegetais de sementes de linhaça, canola, milho, girassol e em castanhas.

Existem três tipos dele:

Ácido docosahexaenoico (DHA): Encontrado principalmente nos peixes de águas geladas;

Ácido eicosapentaenoico (EPA): Contido nos peixes;

Ácido Alfa-Linolênico (ALA): Gordura de fonte vegetal encontrada na linhaça, chia e oleaginosas (castanhas), além de algas. Embora esta variedade possa ser convertida nos dois primeiros, estes são os mais indicados.

Ácido estearidônico: Presentes nos óleos de prímula, borragem, echium - somentes disponíveis em forma de suplemento.

ONDE O ÔMEGA 3 É ENCONTRADA:

Os alimentos mais ricos em ômega 3 são os peixes de águas profundas: salmão, arenque, atum, sardinha, truta, cavala.

O ácido alfa-linolênico está presente nos óleos de linhaça e canola e vegetais, como o agrião, a couve, a alface, o espinafre e o brócolis. São também boas fontes: chia, linhaça (óleo, semente e farinha), vegetais verde escuros (couve, espinafre e rúcula), castanha do Brasil e nozes e, em menores quantidades, o óleo de soja e o de canola.

 

COMO O ÔMEGA 3 AGE NO CORPO:

O ômega 3 age de duas formas: o EPA (ácido eicosapentanoeico) atua diretamente nas plaquetas sanguíneas e ajuda a evitar o surgimento de coágulos no sangue, que podem levar a um enfarto ou a um derrame.

Esse ácido também ajuda a reduzir os triglicerídeos, uma gordura ruim para o organismo. Outro ácido presente no ômega 3, o DHA (ácido docosahexaenoico) também atua na prevenção de doenças cardiovasculares. Sua principal função é estabilizar a atividade elétrica no coração, o que, por sua vez, contribui para evitar doenças cardíacas.

IMPORTÂNCIA DO ÔMEGA 3:

O ômega 3 é um ácido graxo essencial, já que não é produzido pelo corpo, e é fundamental para suprir carências nutricionais, auxiliando na manutenção de uma boa saúde (especialmente na manutenção de níveis saudáveis nos triglicerídeos).

Estudos revelam que o ômega 3 (presente em alimentos como o óleo de peixe) tem poderoso efeito anti-inflamatório, como na redução da inflamação nas articulações. Diminui o risco de artrite e retarda o envelhecimento precoce da pele, prevenindo rugas. Desempenha também papel de extrema importância na regulação da função celular e mantém a flexibilidade e elasticidade da pele, diminuindo também os efeitos negativos dos raios UV sobre a pele.

Ajuda também na saúde ocular, pois previne a síndrome do olho seco e o desenvolvimento da degeneração macular. Mais importante, seu uso previne doenças como: doença de Alzheimer, diabetes, hiperatividade, distúrbios de déficit de atenção e depressão.

A memória, a agilidade de raciocínio, o humor; tudo isso pode ser influenciado pela presença ou não desse ácido graxo essencial em nosso cérebro.

Ele diminui o desconforto da TPM, normaliza a circulação sanguínea e o ritmo do coração, evita doenças auto imunes, controla a pressão arterial, dificulta o desenvolvimento de processos inflamatórios, combate a osteoporose por aumentar a absorção de cálcio.

 

FUNÇÃO DO ÔMEGA 3:

O Ômega 3 possui diversas funções que auxiliam na melhora, promoção e manutenção da saúde do corpo e da mente.

Uma das funções principais do composto é para melhorar o funcionamento e desenvolvimento do cérebro. 60% do cérebro humano é formado por gordura, em especial o composto ômega 3. Uma de suas funções é a melhora da memória e melhora no humor.

Outra função importante do composto é a melhora do equilíbrio e níveis de colesterol bom e ruim do corpo. Que acarreta num funcionamento melhor do coração e da pressão arterial do organismo.

O ômega ainda ajuda a melhorar o funcionamento do sistema imunológico, melhora os níveis de testosterona e também atua na regulação da coagulação sanguínea.

ÔMEGA 3 É INDICADO PARA:

O ômega-3 atua como anti-inflamatório e protetor das células no organismo, trazendo os seguintes benefícios:

O ômega 3 garante o bom funcionamento do cérebro, melhorando a memória e o raciocínio. Além disso, ele é importante para prevenir doenças cardiovasculares e diminuir o risco de desenvolvimento de câncer, por exemplo.

PARA QUE SERVE O ÔMEGA 3:

Ômega 3 para acne: Os ácidos graxos ômega-3 ajudam a controlar a inflamação da acne.

Ômega 3 para ansiedade: Evidências sugerem que a ômega 3 interfere no controle de vários processos cerebrais como a regulação de neurotransmissores, neuro-plasticidade e inflamação. Sendo a inflamação cerebral o mecanismo proposto para justificar ansiedade e até mesmo depressão.

Ômega 3 para autismo: Estudos sugerem que pessoas autistas podem apresentar melhoras em alguns aspectos do comportamento mediante a suplementação na dieta com o ômega 3 DHA, tipo específico de ácido graxo da classe dos ômega 3, com forte função neuronutritiva.

Ômega 3 para atletas: Suplementos vitamínicos e minerais são frequentemente usados pelos atletas como auxiliares ergogênicos para melhorar o desempenho. Nesse sentido, o ômega 3 poderia trazer vários benefícios aos atletas, atenuando a geração de estresse oxidativo e, assim, melhorando o desempenho muscular e a função imunológica.

Ômega 3 para artrose: Nesse estudo, observou-se que o consumo elevado de ômega 3 pode ajudar na melhora do quadro de artrose nos joelhos, caracterizado pela condição inflamada das estruturas articulares (cartilagem, membrana e líquido sinovial).

Ômega 3 para baixar triglicerídeos: Reduzir o nível de triglicerídeos é muito importante, assim como aumentar o HDL-C, o 'bom colesterol'. Para isso, é possível recorrer ao ômega 3, como explica a profissional: “O ômega 3 de boa qualidade bloqueia a síntese de triglicerídeos no fígado.

Ômega 3 para baixar colesterol:  O ômega 3 eleva os níveis do colesterol HDL, consequentemente diminuindo o colesterol LDL, considerado ruim para o corpo. Quem possui níveis elevados de HDL tende a ter menos riscos de desenvolver doenças no coração.

Ômega 3 para celulite: Uma pele inflamada deixa a celulite ainda mais aparente. Incluir alimentos com ômega 3 na dieta ajuda a reduzir a inflamação da pele e previne o crescimento das células de gordura. Óleo de peixe, nozes e linhaça são poderosas fontes de ômega 3.

Ômega 3 para o cérebro: As moléculas mais importantes do ômega 3 são o ácido Eicosapentenoico (EPA) e o ácido docosahexaenoico (DHA). Ambos são os responsáveis pela transmissão de informações entre as membranas celulares, a sua síntese e também estimulam a formação de novas células cerebrais.

Ômega 3 para circulação: Ômega 3 auxilia na saúde do coração e na circulação sanguínea, visto que ajuda a evitar a formação de coágulos no sangue, reduzindo os riscos de trombose e acidente vascular cerebral. Pessoas com celulite, obesidade, lúpus e artrite reumatoide são muito beneficiadas com o seu consumo.

Ômega 3 para cicatrização: Estudos mostram que o uso do ácido graxo poliinsaturado ômega-3 pode criar um microambiente mais favorável à cicatrização de feridas. Em outros, devido à sua capacidade de competir pela produção de eicosanoides menos pró-inflamatórios, foi relatado prejuízo à cicatrização.

Ômega 3 para covid 19: Dados da literatura científica mostram que a suplementação com ácidos graxos ômega-3 apresenta potenciais benefícios e riscos. De um lado, pode ajudar a reduzir o quadro inflamatório causado quando ocorre a chamada "tempestade de citocinas" nos pacientes com covid-19.

Ômega 3 para concentração: O ômega 3 melhora a aprendizagem porque é um constituinte dos neurônios, ajudando a acelerar as respostas cerebrais. Este ácido gordo possui um efeito positivo sobre o cérebro, principalmente na memória, fazendo com que seja possível aprender mais rapidamente.

Níveis elevados de ômega 3 estão associados a uma melhor capacidade de leitura e memória, assim como menos problemas de comportamento. Embora nem todos que apresentam dificuldade para se concentrar tenham deficiência de ácidos graxos ômega 3, uma deficiência deste nutriente pode estar diretamente relacionada a problemas de atenção e aprendizagem.

 Ômega 3 para dar energia:  O Ômega 3 é um suplemento muito utilizado pelos atletas e praticantes de exercícios físicos, com o objetivo de melhorar a saúde e a performance. A utilização do Ômega 3 para melhorar as doenças vasculares e as funções cerebrais de memória, concentração e desempenho já é conhecida.

Ômega 3 para depressão: O aumento do consumo de alimentos ricos em ômega 3, assim como o consumo de ômega 3 em cápsulas, são úteis para prevenir e combater a depressão e a ansiedade pois ele melhora o controle das emoções e do humor, diminuindo assim os sintomas depressivos, as perturbações do sono e a falta de apetite sexual que são sintomas comuns nas pessoas deprimidas.

Ômega 3 para depressão pós-parto:  O consumo diário de alimentos ricos em ômega 3, especialmente no último trimestre de gestação auxilia no desenvolvimento cerebral do feto, mas se a mulher continuar consumindo estes alimentos após o nascimento terá um menor risco de desenvolver depressão pós-parto.

Ômega 3 para deficit de atenção: Os suplementos de óleo de peixe ômega-3 podem melhorar a atenção em crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) tanto quanto os tratamentos com medicamentos, mas apenas naqueles cujos níveis sanguíneos de ômega-3 são baixos, mostraram resultados de testes de um estudo publicado há duas semanas.

Ômega 3 para diabetes: Um estudo da Universidade de Ciências Médicas, no Teerã, analisou a suplementação com 2 gramas de ômega 3 diariamente no período de 3 meses, em 67 pacientes portadores de sobrepeso e diabetes tipo 2, e constatou que a suplementação foi capaz de diminuir significativamente os níveis de insulina, hemoglobina glicada e resistência à insulina.

Ômega 3 para dores musculares: O ômega 3 é uma gordura essencial, ou seja, precisa ser consumida através da alimentação. Seu principal benefício envolve uma ação anti-inflamatória, servindo para melhorar a saúde através de diversas maneiras, inclusive combatendo as dores musculares.

Ômega 3 para dores de cabeça: O ômega-3 desempenha uma ação importante no sistema nervoso e por isso pode ser considerável na prevenção da enxaqueca. Seu mecanismo envolve a sintetização dos receptores dos neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina, além de possuir ação antioxidante, protegendo o cérebro do estresse oxidativo.

Ômega 3 para emagrecer: E apesar do ômega 3 ser estudado também com relação a perda de peso, ele não é um alimento termogênico. Mas, ele pode auxiliar de forma indireta o emagrecimento, devido seus efeitos anti inflamatório, principalmente em doenças relacionadas a obesidade.

Ômega 3 para fertilidade: Estudos recentes mostraram que o Ômega 3 tem sido um ótimo aliado para o sistema reprodutivo. A Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva fez um estudo que atestou como o Ômega 3 ajudou no funcionamento do sistema reprodutivo das mulheres, deixando- mais equilibrado.

Ômega 3 para o fígado:  Na universidade de Oxford, pesquisadores revisaram 18 estudos sobre os efeitos benéficos dos ácidos graxos ômega 3 para o fígado e descobriram que, entre os consumidores de DHA (ácido docosahexaenóico) – com hábitos saudáveis – foi constatada a melhora da gordura hepática e, ainda por cima, a redução de fatores de risco cardíaco.

De acordo com a revisão dos cientistas feita com pacientes de 5 países diferentes, a ingestão de cápsulas resultou em bons resultados em 180 dias de uso.

A capacidade que o DHA mostrou em controlar inflamações hepáticas impressionou a comunidade científica, apontando a suplementação diária do ácido graxo como um caminho seguro e eficaz para proteger o fígado contra doenças.

Ômega 3 para fibromialgia: Pacientes com fibromialgia podem encontrar alívio ao ingerirem mais alimentos ricos em ácidos graxos ómega-3. Estudos mostram que as propriedades de combate à inflamação e de reforço do sistema imunitário dos ácidos graxos aliviam os sintomas da doença.

Ômega 3 para idosos: A administração do ômega 3 em idosos tem efeito positivo no tratamento de doenças degenerativas comuns na velhice, como diabetes e artrites. Alguns estudos também afirmam que a suplementação de ômega 3 leva a uma diminuição dos processos de dor crônica.

Ômega 3 para imunidade: Os cientistas observam que o principal componente nas gorduras tradicionais utilizadas são os ácidos graxos ômega-6, que podem aumentar a inflamação e prejudicar a função imunológica. Em contraste, as gorduras ômega-3 melhoram a função imunológica e inibem a resposta inflamatória.

Ômega 3 para inflamação: O ômega-3 pode reduzir a inflamação crônica, essa que pode contribuir com doenças cardíacas, câncer e várias outras doenças. Estudos também mostraram que o ômega-3 pode prevenir ou contrariar a arritmia cardíaca, além de ser antitrombótico, antiaterosclerótico e anti-inflamatório.

Ômega 3 para lactantes: Na Europa, por exemplo, a Comissão Europeia recomenda que a ingestão de ômega 3 DHA seja de, no mínimo, 200 mg ao dia para gestantes e lactantes (mulheres que estão amamentando). Assim, todos os benefícios que o nutriente traz para a formação do bebê estariam garantidos.

Ômega 3 para labirintite: Os alimentos ricos em ômega 3, como as sementes de linhaça e de chia, são ótimos para combater a labirintite. Você pode obter o ômega 3 da linhaça ou da chia deixando-as de molho durante dez minutos, na proporção de uma parte de semente e uma de água. Assim, o gel que formará tornará o ômega 3 mais biodisponível.

Ômega 3 para lúpus: O ômega 3 (ácido graxo poli-insaturado) desempenha um papel importante na luta contra a inflamação (principal sintoma do lúpus) pois ajuda a controlar a liberação de moléculas responsáveis pelas respostas inflamatórias do corpo (algumas sendo prostaglandinas, leucotrienos e citocinas).

Ômega 3 para massa muscular: Também existem evidências científicas de outro estudo, que afirma que o ômega-3 possui propriedades intrínsecas anabolizantes e anti-catabólicas no músculo esquelético, ou seja, que ele auxilia no aumento de massa muscular e redução da perda de massa muscular.

Ômega 3 para memória: Ômega 3 estimula o Cérebro e a Memória. O ômega 3 melhora a aprendizagem porque é um constituinte dos neurônios, ajudando a acelerar as respostas cerebrais. Este ácido gordo possui um efeito positivo sobre o cérebro, principalmente na memória, fazendo com que seja possível aprender mais rapidamente.

Ômega 3 para menopausa: Uma alternativa para reduzir os sintomas da menopausa é a inclusão de alimentos fontes de Ômega-3 na alimentação. Ele visa reduzir o risco de desfechos cardiovasculares problemas frequentes durante a menopausa, possivelmente pela disfunção endotelial causada pela queda de estrógeno e pelo aumento nos níveis de estrona.

Ômega 3 para os olhos: O ômega-3 parece melhorar as funções das glândulas oculares de Meibomian, responsáveis pela secreção do óleo que cobre a superfície dos olhos, influenciando a nitidez do que enxergamos.

Ômega 3 para a pele: Os recentes estudos indicam que o alto potencial anti-inflamatório do ômega 3 o faz ser um ótimo aliado para a proteção da pele, inclusive combatendo os raios UV. A imunidade alta também é outro atributo capaz de diminuir ainda mais o risco de câncer de pele – tudo isso por meio de uma boa alimentação.

Ômega 3 para rinite: Os peixes de água fria como salmão, atum e sardinha têm ômega 3, que protegem as vias aéreas e ajudam a combater as inflamações. Esse tipo de gordura funciona como anti-inflamatório e antioxidante e fortalece o sistema imunológico, o que pode ajudar a diminuir o risco de crises de rinite.

Ômega 3 para tireoide: O Óleo de Linhaça Dourada por possuir grande quantidade de ômega 3 (auxilia a manter a saúde hormonal), também contém zinco (atua no metabolismo da tireoide), são grandes aliados da tireoide. 

Ômega 3 para toc: O tratamento com ácidos graxos poli-insaturados ômega-3 (PUFAs, do inglês PolyUnsaturated Fatty Acids) pode diminuir os sinais e sintomas de ansiedade nos pacientes com várias doenças, como o transtorno da personalidade borderline e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), sugere nova pesquisa.

Ômega 3 para unhas: Para evitar unhas secas e quebradiças, consuma os ácidos graxos ômega-3. Eles ajudam a lubrificar suas unhas, dando-lhes uma aparência brilhante. A vitamina C é essencial para a produção de colágeno, o que ajuda a fornecer força e integridade às suas unhas.

Ômega 3 para varizes: O ideal é cuidar da prevenção, o Ômega 3 pode ser um grande aliado, tanto na prevenção, como também quando a pessoa já desenvolveu varizes. Como ela age na circulação das pernas, ajuda a diminuir as dores e o inchaço.

Ômega 3 para vitiligo: Pessoas com vitiligo devem ficar atentas quanto à alimentação, evitando defumados, gorduras animais e frituras. Aumentar o consumo de vegetais, de fontes de ômega 3 e de probióticos. É importante o consumo de alimentos ricos em fenilalanina,

 

BENEFÍCIOS DO ÔMEGA 3:

O ômega 3 ajuda na redução das inflamações, controla os níveis de colesterol e pode ajudar na prevenção de diversas doenças do coração e cerebrais. Além disso, o nutriente melhora a memória e ajuda também na energia, dando mais disposição para o corpo. Confira outros benefícios que o nutriente possui para quem o consome da forma correta:

  • realiza uma proteção das células do organismo;
  • reduz inflamações e ajuda contra doenças como, por exemplo, artrite reumatoide;
  • ótimo para o combate da depressão e da ansiedade;
  • ajuda no controle do colesterol no sangue;
  • fortalece o sistema imunológico;
  • regula a coagulação do sangue;
  • benéfico para o coração e melhora a pressão arterial;
  • diminui as chances do desenvolvimento de câncer.

 

Benefícios para o corpo:

Diminui a inflamação: A inflamação é a raiz da maioria das doenças e está ligada a quase todos os problemas de saúde relacionados à idade que existem. Restaurar a produção de DHEA, naturalmente com certos hábitos de estilo de vida e também através do uso de suplementos, pode melhorar muitas qualidades juvenis. A capacidade da DHEA de diminuir a inflamação e o equilíbrio dos hormônios ajuda a facilitar níveis de energia mais elevados, um corpo mais enxuto e mais vital. O formulário de suplementação de DHEA em suplemento aumenta certos níveis hormonais (como testosterona e estrogênio), ajuda a prevenir reações auto-imunes e distúrbios do humor como a depressão e melhora a qualidade de vida geral de muitas maneiras.

A pesquisa mostra que as pessoas com síndrome metabólica – um termo caracterizado por uma combinação de fatores de risco relacionados a alta inflamação, como obesidade / excesso de peso, com colesterol alto, pressão alta e diabetes – tendem a ter níveis mais baixos de DHEA. Estudos também mostram que adultos obesos tendem a produzir menos DHEA em comparação com adultos com peso saudável. Os cientistas também associam baixa DHEA com distúrbios auto-imunes inflamatórios como lúpus e artrite.

Melhora a saúde cardíaca e reduz o risco de diabetes: Adquirir mais DHEA está ligada a um risco menor de artérias obstruídas, coágulos de sangue, colesterol alto, doenças cardíacas e resistência à insulina / diabetes em adultos, embora os pesquisadores ainda não tenham certeza de por quê. O DHEA pode melhorar a função dos vasos sanguíneos e reduzir o risco de doença cardíaca e diabetes, reduzindo a inflamação, apoiando um metabolismo saudável, melhorando o uso de glicose e insulina e melhorando a produção de hormônios sexuais.

Ajuda a melhorar a densidade óssea e a massa muscular: O DHEA está associado a efeitos antienvelhecimento que ajudam a proteger a perda óssea e reduzem o risco de fraturas ou condições como osteoporose. Além do envelhecimento, a perda óssea ocorre em taxas mais elevadas em pessoas com distúrbios tireoidianos ou auto-imunes, dietas pobres em vitaminas, estilos de vida sedentários, transtornos alimentares e desequilíbrios hormonais. Algumas evidências sugerem que os níveis mais elevados de DHEA melhoram a produção de estrogênio, resultando em maior densidade mineral óssea em mulheres mais velhas ou pós-menopausa.

Protege Contra Depressão, Declínio Cognitivo e Mudanças de Humor: De acordo com alguns estudos, níveis mais elevados de DHEA podem diminuir as taxas de depressão maior e melhorar a estabilidade emocional global. A pesquisa sugere que suplementar com 25 a 200 miligramas de DHEA (dependendo do caso individual) pode ajudar a diminuir a depressão e sintomas relacionados ao humor, incluindo perda de prazer (chamada anedonia), perda de energia, falta de motivação, “entorpecimento emocional” tristeza, irritabilidade, incapacidade de lidar com o estresse e preocupação excessiva.

O DHEA ajuda a equilibrar a produção de outros hormônios necessários para manter uma perspectiva positiva, energia e motivação, como testosterona e estrogênio. Também reduz o risco de muitas condições e sintomas de saúde, alguns dos quais contribuem para a depressão. Estes incluem ganho de peso, disfunção sexual, infertilidade e insuficiência adrenal (uma condição grave em que as glândulas supra-renais não produzem hormônios suficientes).

Perda de peso e construção da massa muscular: Os suplementos de DHEA são freqüentemente usados para ajudar a promover a perda de peso e apoiar o treinamento atlético com foco na construção de massa muscular magra. 7-Keto, um tipo de suplemento de DHEA, ajuda os adultos a manter níveis fortes de metabolismo enquanto ajudam na prevenção do ganho de gordura associado à idade e perda de músculo. Certamente não é uma bala mágica para perda de peso, mas pode ser útil para algumas pessoas.

Enquanto a ingestão de calorias e o gasto de energia são fatores importantes envolvidos na administração do seu peso, os hormônios também desempenham um papel crucial. O DHEA ajuda a melhorar a capacidade natural do corpo de usar energia e queimar gordura, dois processos metabólicos que geralmente diminuem à medida que alguém envelhece. Ajuda também a transportar a glicose para as células em busca de energia, reduzir os níveis de insulina e estimular a queima de gordura.

Diminui a Disfunção Sexual e Pode Melhorar a Libido: O DHEA ajudou muitas pessoas a superar disfunções sexuais, perda de libido, disfunção erétil, desequilíbrios hormonais e sintomas de menopausa como a secura vaginal. Os resultados do estudo ao longo dos anos foram misturados, mas algumas pesquisas demonstram que níveis mais baixos de DHEA ocorrem em homens com disfunção erétil. A suplementação de DHEA pode beneficiar homens e mulheres com vários sintomas relacionados à diminuição dos hormônios sexuais, de acordo com alguns estudos.

A baixa testosterona e a deficiência de hormônio nos homens (também às vezes chamada de deficiência de andrógenos parciais) contribuem para problemas como dores,  ganho de peso, perda de funcionamento e problemas sexuais, mas algumas pesquisas sugerem que tomar 25 miligramas de DHEA diariamente por um ano pode melhorar esses sintomas. Outras evidências mostram que tomar DHEA por seis meses ajuda a diminuir os sintomas sexuais relacionados ao dano nervoso e ao diabetes, como a impotência. As mulheres que tomam 10 a 25 miligramas de DHEA por dia podem ver uma diminuição em certos sintomas da menopausa, como ondas de calor, secura vaginal e aumento de peso.

 

Benefícios para as crianças:

Diminui a chance de prematuridade e baixo peso: Um estudo feito ao longo de dez anos pela Universidade do Kansas e publicado no American Journal of Clinical Nutrition indicou que grávidas que consumiram 600 mg de ômega-3 (que contém cerca de 120 mg de DHA) por dia tiveram chance reduzida de ter um bebê antes das 34 semanas de gravidez e com baixo peso.

Aprendizado e memória: O DHA tem uma atuação direta em três funções do cérebro: memória, aprendizagem e fixação do conhecimento. Isso acontece porque ele ajuda a construir e estruturar as bainhas de mielina, uma capa de gordura que ajuda a formar as sinapses – comunicação entre os impulsos nervosos do cérebro. Quanto mais sinapses, melhor o funcionamento cerebral. Alguns estudos já mostram que a ingestão recomendada deste componente pode garantir 7 pontos de QI a mais para uma criança.

Melhor leitura: Uma pesquisa da Universidade de Oxford, Reino Unido, notou que crianças com altos níveis de ômega-3 no sangue, mais especificamente de DHA, eram as que tinham melhor habilidade para leitura e mais concentração para prestar atenção no conteúdo ensinado em sala de aula.

Boa visão: Como a visão também está associada ao sistema nervoso, o DHA atua na formação e fortalecimento da retina, o que diminui as chances de aparecimento de problemas oculares.

Imunidade turbinada: Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriram que o componente tem potencial para minimizar inflamações crônicas, relacionadas tanto com problemas ósseos, como artrite, até cardiovasculares. Isso porque o DHA pode ser convertido pelo próprio organismo em uma substância chamada maresins, que “desligam” os processos inflamatórios.

 

Benefícios do Ômega 3 na gravidez:

Pode ser recomendada a suplementação com ômega 3 na gravidez, pois previne partos prematuros e melhora o desenvolvimento neurológico da criança, e nos bebês prematuros esta suplementação melhora suas capacidades cognitivas, visto que a deficiente ingestão desta gordura está associada a menor QI do bebê.

A suplementação com ômega durante a gravidez traz benefícios como:

  • Prevenir depressão materna;
  • Reduzir os casos de parto pré-maturo;
  • Menor risco de alergias e asma nas crianças;
  • Melhor desenvolvimento neurocognitivo nas crianças.

A suplementação com ômega 3 também pode ser efetuada durante a fase da amamentação para suprir as necessidades acrescidas da mãe e do filho.

 

DEFÍCIÊNCIA DO ÔMEGA 3 NO CORPO:

A deficiência de ômega 3 pode causar doenças e danos à saúde, como: Ganho de peso. Problemas cardíacos.

Infelizmente, muitas pessoas não conseguem obter a quantidade de ômega 3 suficiente em suas dietas, resultando em deficiência dessa substância.

Entre os sinais de deficiência de ômega-3 estão: dores nas articulações, problemas de saúde mental como depressão e problemas cognitivos, como declínio na memória.

 

POR QUE USAR ÔMEGA 3:

Os níveis máximos de ômega 3 no sangue ocorrem aproximadamente aos 25 anos, diminuindo progressivamente depois disso. A manutenção de níveis séricos saudáveis e séricos de ômega 3  tem uma variedade de benefícios para a saúde. Milhares de estudos foram publicados sobre os vários benefícios do ômega 3, incluindo propriedades imunomoduladoras, bem como efeitos positivos sobre o humor, qualidade de vida e composição corporal. Rejuvenescer os níveis circulantes de ômega 3  para aqueles encontrados em jovens pode melhorar o bem-estar geral e a função sexual também.

 

USO DO ÔMEGA 3 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA:

Efeitos colaterais:

O Ômega 3, consumido por alimentos ou suplementos, é totalmente saudável e seguro na maioria dos casos. No entanto, existem algumas situações onde o seu consumo em excesso pode ser prejudicial, ou ainda o seu consumo por pessoas em certas condições.

Ou seja, em alguns casos o consumo de Ômega 3 pode causar alguns efeitos colaterais.

Em geral, esses efeitos colaterais possíveis não tem potencial de chegar a serem graves. Na maioria dos casos, tais efeitos são:

  • Dor de cabeça;
  • Dores abdominais;
  • Diarreia;
  • Enjoos;
  • Aumento de processos inflamatórios;
  • Episódios hemorrágicos.

Contraindicações:

Em relação a contraindicações, não há muitas e realmente quase toda pessoa pode fazer uso de suplemento de Ômega 3.

Pessoas com alergias a frutos do mar precisam evitar o consumo do Ômega 3 através da alimentação. Essas, devem consumir o composto por meio de um suplemento adequado.

Já pessoas com problemas de coagulação do sangue devem evitar todas as formas de consumo do Ômega 3. O mesmo vale para pessoas que têm próteses cardíacas.

Riscos do consumo em excesso:

Excesso de ômega-3 pode causar desequilíbrio metabólico de lipídeos | Saúde | GloboEsporte.com. Com o objetivo de uma ação anti-inflamatória e antioxidante, um atleta passa a realizar suplementação com óleo de peixe. Alguns meses depois, em uma consulta de rotina, é detectada uma elevação nos índices de colesterol LDL.

 

DUVIDAS SOBRE O USO:

Como tomar o ômega 3:

É importante consumir o produto intercalado com alguma refeição (almoço ou janta) e quatro horas antes ou depois de um exercício físico. Cada organismo tem uma demanda, ou seja, a quantidade que será ingerida vai variar de pessoa para pessoa.

Quantidade recomendada do ômega 3:

A quantidade ideal recomendada vai depender de diversos critérios e deve sempre levar em consideração as particularidades e necessidades nutricionais individualizadas. Por isso, é imprescindível buscar orientação com um profissional da área da saúde e/ou nutrição.

Em linhas gerais, um indivíduo saudável deve consumir aproximadamente de 3 g a 4 g diárias de ômega 3, que deve, necessariamente, estar acompanhado de uma vitamina antioxidante.

Assim como qualquer substância, quando utilizado de forma incorreta, o ômega 3 pode trazer riscos para a saúde. Problemas com hiperdosagem podem dificultar os resultados em estratégias alimentares, além de oferecer riscos em relação ao surgimento de doenças.

Neste sentido, para saber qual é o consumo ideal para o seu corpo, é necessário buscar o acompanhamento nutricional. O profissional vai orientar na composição de toda a sua dieta, bem como nas quantidades e nutrientes que devem ser suplementados.

Como tomar o ômega 3:

É importante consumir o produto intercalado com alguma refeição (almoço ou janta) e quatro horas antes ou depois de um exercício físico. Cada organismo tem uma demanda, ou seja, a quantidade que será ingerida vai variar de pessoa para pessoa.

Ômega 3 emagrece:

Apesar de esse não ser o foco principal do ômega 3, se emagrecer for o objetivo, o composto pode ser um aliado. A associação entre a prática regular de exercícios físicos, uma dieta equilibrada e o consumo desse suplemento colabora para a queima de calorias e a consequente redução de peso. Além disso, o ômega 3 também auxilia indiretamente nesse resultado por possibilitar treinos mais intensos.

O composto, apesar de não ser produzido pelo nosso organismo, é uma gordura essencial para a manutenção da saúde. Por isso, só pode ser adquirido por meio de alimentação ou suplementação.

As pessoas que sofrem com doenças como a obesidade têm um estoque elevado de gordura corporal, o que significa uma quantidade de inflamações considerável. Nestes indivíduos, a suplementação de ácidos graxos como o ômega 3 contribuiu para impedir a progressão da lesão aterosclerótica, minimizando o risco de problemas mais graves para a saúde.

 

SUPLEMENTO DO ÔMEGA 3:

Quantas cápsulas de ômega 3 tem que tomar por dia:

A quantidade diária recomendada de ômega 3 é polêmica. Apesar de a Sociedade Americana do Coração orientar até 4 gramas ao dia, é justamente esta porção que em alguns estudos leva a complicações de saúde. Por isso, outros especialistas defendem a porção de até 1 g de ômega 3 ao dia.

O uso do suplemento do ômega 3:

O ômega 3 garante o bom funcionamento do cérebro, melhorando a memória e o raciocínio. Além disso, ele é importante para prevenir doenças cardiovasculares e diminuir o risco de desenvolvimento de câncer.

Quantidade recomendada:

A quantidade necessária de ômega 3 por dia pode variar de acordo com a idade de cada pessoa. Por isso, é indicado um acompanhamento médico e nutricional para que o nutriente seja ingerido da maneira correta e que tenha ação benéfica ao organismo.