O QUE É O PROBIÓTICOS:

Os probióticos são bactérias benéficas que vivem no intestino e melhoram a saúde geral do organismo, trazendo benefícios como facilitar a digestão e a absorção de nutrientes, e fortalecer o sistema imunológico.

Quando a flora intestinal está em desequilíbrio, o que acontece após o uso de antibióticos ou quando não se tem uma alimentação saudável e equilibrada, o intestino acaba sendo povoado por bactérias ruins, que não ajudam o sistema imunológico e deixam o organismo susceptível a doenças.

 

DIFERENÇA ENTRE PREBIÓTICO E PROBIÓTICO:

Enquanto os probióticos são bactérias saudáveis que povoam o intestino, os prebióticos são fibras que servem de alimentos para os probióticos e que favorecem a sua sobrevivência e proliferação no intestino.

Alguns exemplos de prebióticos naturais são aveia, cebola, alho, banana verde e biomassa de banana verde, por exemplo.

ONDE O PROBIÓTICOS É ENCONTRADA:

Alguns alimentos são ricos em probióticos naturais. Alguns exemples desses alimentos incluem:

 

Iogurte natural: São a principal e mais fácil fonte de probióticos no mercado, mas também existem versões de iogurtes com sabor que mantém as bactérias benéficas vivas;

 

Kefir: CÉ um produto fermentado com levedura e bactérias que fica semelhante ao iogurte, mas possui um teor mais elevado de probióticos. Veja mais sobre o kefir;

 

Leite fermentado: São produtos especiais que geralmente contêm Lactobacillus adicionados pela indústria, sendo o Yakult o mais famoso;

 

Kombucha: Uma bebida fermentada feita principalmente a partir do chá preto;

 

Produtos orientais à base de soja: Legumes e verduras, como Miso, Natto, Kimchi e Tempeh, que podem ser comprados em lojas especializadas;

 

Chucrute: É feito a partir da fermentação das folhas frescas do repolho ou da couve;

 

Picles: Para fazer esse alimento, os pepinos são colocados em água e sal, deixando fermentar por um tempo;

 

Levedura natural: É um cultivo composto por leveduras e bactérias que são naturalmente encontradas no ambiente, e que pode ser utilizado na preparação de diversos produtos, como pães, tortas e bolos.

Além desses alimentos, alguns queijos também podem possuir cultivos vivos de microrganismos com propriedades probióticas, sendo importante ler a etiqueta nutricional para confirmar a presença das bactérias.

Para manter a flora saudável, aconselha-se o consumo de pelo menos 1 alimento fonte de probióticos por dia, especialmente durante e após o uso de antibióticos, que acabam destruindo a flora intestinal saudável também.

COMO O PROBIÓTICOS AGE NO CORPO:

Nosso intestino é o órgão responsável por absorver muitos nutrientes, como vitaminas e minerais. Além disso, ele abriga uma verdadeira população de micro-organismos, conhecida como flora intestinal ou microbiota.

Essa flora intestinal desempenha importantes funções dentro do corpo, como manter a imunidade alta. Porém, se por algum motivo houver uma desregulação na quantidade desses

micro-organismo, onde as bactérias consideradas nocivas se sobressaia às boas, pode ocorrer diversas doenças.

Nós podemos auxiliar a flora intestinal a continuar equilibrada por meio dos alimentos probióticos. Eles são fermentados que contêm micro-organismos vivos. Sendo assim, são muito benéficos para a manutenção da flora intestinal.

Dentre os benefícios dos probióticos estão:

  • Aumento da imunidade;
  • Diminuição de problemas intestinais;
  • Minimização das inflamações;
  • Redução dos níveis de colesterol e da pressão;
  • Diminuição de candidíase e vaginoses.

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS:

Os probióticos são micro-organismos vivos que beneficiam o organismo, atuando diretamente no equilíbrio bacteriano intestinal. Eles podem ser encontrados em leites fermentados e iogurtes que, ao serem consumidos com regularidade, trazem benefícios ao sistema imunológico por equilibrar a flora intestinal.

PROBIÓTICOS É INDICADO PARA:

Os probióticos podem ajudar nos seguintes casos:

 

Sistema imunológico fraco: O probiótico pode ajudar a reduzir a intensidade e a duração dos sintomas de fadiga, especialmente no inverno (frio, dor de garganta, gripe, etc.).

 

Doenças intestinais: O probiótico pode ajudar a reduzir o impacto de certos sintomas, especialmente inchaço doloroso e transtornos de trânsito intestinal.

 

Alergias em crianças: O probiótico pode ajudar no desenvolvimento do sistema imunológico.

PARA QUE SERVE OS PROBIÓTICOS:

Probióticos para ansiedade: Aliado contra a ansiedade e depressão. É um probiótico que digere proteínas e auxilia na absorção de nutrientes fundamentais para o bem-estar do corpo humano, combatendo assim, o estresse, ansiedade e depressão.

Probióticos para alérgicos a proteína do leite: Alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é a alergia mais frequente durante a primeira infância. Lactobacillus rhamnosus GG (LGG) tem sido reconhecido com um probiótico com potencial para melhorar reações imunológicas, prevenir e tratar a inflamação alérgica.

Probióticos para a pele: Probióticos para a pele são fragmentos de cepas (conjuntos de bactérias semelhantes) que agem restaurando o microbioma cutâneo. Eles também estimulam a produção de antibióticos naturais, ácido hialurônico, ácido lático e ceramidas na pele.

Probióticos para a imunidade:  Os Probióticos para imunidade são um conjunto de bactérias benéficas que melhoram a saúde do intestino facilitando a digestão e a absorção de nutrientes. Os Probióticos para imunidade irão lhe ajudar a manter a flora intestinal equilibrada, fortalecendo o sistema imunológico.

Probióticos para barriga inchada: A síndrome do intestino irritável provoca sintomas muito desconfortáveis como excesso de gases, inchaço abdominal e dor de barriga, que podem ser aliviados com o uso de um probiótico, como os Lactobacillus acidophilus.

Probióticos para candidiase: Estudos mostram que o uso de probióticos tem sido eficaz no tratamento da candidíase de repetição, visto que os Lactobacillus, principais bactérias probióticas, corrigem a disbiose, impedem a formação de biofilmes da Candida e estimulam a resposta de macrófagos, de forma a minimizar processos inflamatórios.

Probióticos para cistite: Algumas medidas podem preveni-la (beber água, higiene, etc.). Os estudos demonstraram os benéficos de tomar probióticos, como certos lactobacilos. É de notar que o arando-vermelho, uma baga, pode desempenhar um papel na prevenção do reaparecimento das cistites, mas o seu efeito ainda não foi claramente demonstrado.

Probióticos para constipação: Estudos mostram que o consumo de probióticos pode reduzir substancialmente o tempo de trânsito intestinal, aumentar a frequência de evacuações e melhorar a consistência das fezes. Os probióticos são considerados agentes naturais e seguros para alívio da constipação funcional em adultos.

Probióticos para colica de bebe: A terapia probiótica mostrou-se promissora para ajudar crianças com cólicas. O Lactobacillus reuteri foi estudado e teve sua eficácia documentada em lactentes com cólicas amamentados ao seio, mas as conclusões sobre a eficácia em lactentes em aleitamento artifical ou misto não puderam ser feitas.

Probióticos para depressão: As espécies Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei, Lactobacillus helveticus, Bifidobacterium lactis, Bifidobacterium longum e Bifidobacterium bifidum foram as mais usadas nestes estudos e todas foram capazes de melhorar pontuações relacionadas à depressão ou sintomas depressivos e cognitivos relacionados.

Probióticos para diarreia: Lactobacillus rhamnosus GG (LGG)  está entre as cepas mais comumente suplementadas. A pesquisa mostra que o LGG é um dos probióticos mais eficazes no tratamento da diarreia em adultos e crianças (6, 16). 

Probióticos para doenças autoimunes:  Estudos científicos comprovaram que o uso dos probióticos Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei e Bifidobacterium bifidum demonstrou uma melhora na resposta inflamatória em pacientes com artrite reumatoide. Além disso, foi observada uma melhora nos níveis de citocinas inflamatórias.

Probióticos para o estomago: Os probióticos são bactérias benéficas que vivem no intestino e melhoram a saúde geral do organismo, trazendo benefícios como facilitar a digestão e a absorção de nutrientes, e fortalecer o sistema imunológico.

Probióticos para enxaqueca: O estudo constatou que os probióticos reduziram significativamente a frequência e a intensidade das enxaquecas, um achado que representa um grande passo no sentido de entender o papel do microbioma na enxaqueca.

Probióticos para espinhas: Estudos comprovam que o uso de probióticos é importante na ação contra o surgimento da acne, pois age diretamente em uma das principais causas do problema cutâneo, o aumento dos níveis de glicose no sangue, diminuindo assim, as chances do processo inflamatório das glândulas sebáceas.

Probióticos para gestantes: O consumo de probióticos na gestação reduz as chances de diabetes gestacional e obesidade, risco de pré-eclâmpsia e constipação, além de contribuir positivamente para a perda de peso corporal após o parto.

Probióticos para gordura no fígado: O consumo de probióticos ao longo de um mês pode ajudar a diminuir a acumulação de gordura no fígado. O estudo publicado na revista ”PLOS ONE” é assim um grande passo na batalha contra a estetatose hepática não alcoólica.

Probióticos para hipertensos: Já é sabido que o consumo de alimentos ricos em probióticos promove um intestino saudável. Mas uma nova pesquisa publicada dia 21 de julho na revista Hypertension sugere que comer probióticos também pode ajudar a baixar a pressão arterial.

Probióticos para idosos: Estudos e benefícios dos probióticos em idosos: Estudos mostram que os micro-organismos vivos podem auxiliar as defesas do organismo contra alergias e infecções – um benefício e tanto, principalmente para idosos que são mais suscetíveis a doenças e deficiências relacionadas à idade.

Probióticos para imunidade: Os Probióticos para imunidade são um conjunto de bactérias benéficas que melhoram a saúde do intestino facilitando a digestão e a absorção de nutrientes. Os Probióticos para imunidade irão lhe ajudar a manter a flora intestinal equilibrada, fortalecendo o sistema imunológico.

Probióticos para infecção urinária: Qual o papel dos probióticos na infecção urinária recorrente? O uso de probióticos (especialmente lactobacilos) tem sido aventado para a profilaxia de infecções do trato urinário, considerando que essas bactérias predominam na microbiota urogenital da mulher adulta sadia.

Probióticos para menopausa: Pesquisas demonstram que mulheres em período pré-menopausa apresentam redução significativa dos níveis de L. crispatus na região vaginal. Os probióticos para pré-menopausa além de contribuir na saúde vaginal irão exercer um efeito significantemente mais protetor contra infecções e atrofia vaginal.

Probióticos para obesidade: O consumo de micro-organismos probióticos contribui para o tratamento da obesidade, auxiliando na redução do peso corporal e provocando alterações na composição corporal, tais como redução do índice de massa corporal, da circunferência da cintura e do quadril e de outros marcadores de adiposidade.

Probióticos para a pele:  Probióticos para a pele são fragmentos de cepas (conjuntos de bactérias semelhantes) que agem restaurando o microbioma cutâneo. Eles também estimulam a produção de antibióticos naturais, ácido hialurônico, ácido lático e ceramidas na pele.

PROBIÓTICOS PARA CABELO:

Benefícios: Segundo a tricologista, Dra. Mabe Gouveia, além de indicados para pacientes com dermatites atópica e seborreica, esses micro-organismos também ajudam a tratar o couro cabeludo sensível. “Eles diminuem a inflamação local e aumentam a imunidade, protegendo o couro cabeludo de proliferação bacterinas indevidas. Além disso, evita a proliferação fúngica e bacteriana exacerbada. O resultado é um couro cabeludo limpo, saudável e sem inflamação”.

A Dra. Kédima Nassif diz que estudos indicam ainda um aumento do brilho dos cabelos e da proporção de fios em fase de crescimento, o que beneficiaria pessoas com afinamento capilar.

Como fazer o uso de probióticos:  Segundo a Dra. Mabe Gouveia, os probióticos em maioria estudados são os de uso oral, porém existem algumas empresas farmacológicas e também manipulações que apresentaram o uso de probióticos tópicos, e essa técnica foi aderida por alguns SPAs.

Há contraindicações: Embora as pesquisas ainda sejam recentes e não conclusivas, até agora, não foram identificados efeitos colaterais locais, como irritação, nem sistêmicos.

PROBIÓTICOS PARA A SAÚDE DA PELE:

O que vem sendo muito estudado recentemente, retomando evidências já publicadas há mais de 80 anos, é a relação do uso de probióticos para prevenção e tratamento de doenças de pele.

As pesquisas científicas nesta área vêm trazendo evidências de que determinadas cepas de bactérias têm ação em certas patologias cutâneas, muitas vezes relacionadas aos aspectos específicos de cada afecção. Um dos efeitos mais conhecidos e já consagrados do uso dos probióticos na Dermatologia ocorre na Dermatite Atópica: a flora bacteriana mais equilibrada colabora na abordagem terapêutica da doença.

Já em relação à acne, há também estudos de que os probióticos podem levar à redução de número de lesões e da produção de sebo, melhorando o aspecto global da doença.

Os mecanismos pelos quais a estabilidade da flora do intestino influencia de maneira tão significativa a pele ainda não foram completamente elucidados, mas há evidências de que os probióticos melhoram a imunidade e que também participam na interação entre o Sistema Nervoso, o Sistema Digestório e a pele, reestabelecendo um equilíbrio que é modificado pelas doenças.

Diversas outras interações positivas com a pele já são relacionadas com o uso oral de lactobacilos específicos, mas ainda há muito para ser estudado nesse campo.

PROBIÓTICOS PARA CADA SITUAÇÃO:

 

Para inibir ou tratar fungos e infecções do trato urinário: Procure por esta composição de bactérias: Lactobacillus rhamnosus, Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus bifidus e Lactobacillus bulgaricus. De acordo com Karen DeFelice da EnzymeStuff.com, essas quatro parecem trabalhar bem juntas no combate contra bactérias más no trato urinário e área vaginal.

 

Para aliviar problemas gastrointestinais: Outros probióticos também são úteis no alívio de problemas gastrointestinais como SII (síndrome do intestino irritável), diarréia/constipação, desconforto por uso de antibiótico, inflamação intestinal e síndrome do intestino solto.

DeFelice identifica cinco tipos de probióticos que trabalham juntos no suporte para tais queixas gastrointestinais: L. rhamnosus, L. acidophilus, Bifidobacterium lactis (ou B. lactis), Streptococcus thermophilus e L. bulgaricus.

 

Para melhorar a saúde e a imunidade no geral, ou aliviar constipação: L. casei, L. rhamnosus, L. acidophilus e B. longum, trabalham bem juntos. Eles também podem ser úteis em diminuir o colesterol LDL. A composição probiótica Enterococcus faecium também é conhecida por reduzir o colesterol LDL, assim como por atuar como um poderoso anti-patógeno.

Para reduzir patógenos no corpo: Os recomendados são Lactobacillus plantarum (muito antiviral), Bifidobacterium bifidum, B. infantis (uma importante composição para bebês), B. longum (especialmente efetivo na redução de desordens gastrointestinais durante o uso de antibióticos), L. acidophilus, L. casei e L. plantarum. L. acidophilus e L. plantarum são antibióticos de secreção natural que aumentam a imunidade e resistência a infecções. L. casei produz especificamente bacteriocinas que previnem o crescimento de bactérias patogênicas no intestino delgado. Lactobacillus salivarius ajuda a normalizar a flora intestinal e pode ajudar a inibir a ocorrência de úlceras pépticas.

BENEFÍCIOS DOS PROBIÓTICOS:

Crianças: O consumo de probióticos é importante porque a microbiota ainda está em formação. Os probióticos ajudam a deixar os pequenos menos vulneráveis a desequilíbrios e à ação de microrganismos que provocam doenças.

Adultos: Os probióticos podem ser usados diariamente para auxiliar a saúde digestiva e, por consequência, obter os benefícios associados a isso.

Idosos: Se favorecem do consumo dos probióticos, pois possuem o sistema gastrointestinal mais sensível e o aporte das "bactérias do bem" pode trazer mais qualidade de vida.

Menos ansiedade: Quem tomou durante 30 dias suplementos contendo cepas específicas de Lactobacillus e Bifidobacterium longum ficou menos estressado, de acordo com um estudo da publicação britânica Journal of Nutrition.

Melhora no humor: Te parece estranho que uma mudança em seu intestino tenha influência no seu humor? Um estudo realizado por pesquisadores da UCLA – Universidade da Califórnia em Los Angeles – concluiu que o consumo de probióticos muda a resposta do cérebro a estímulos em um nível estrutural.

Dois grupos foram comparados: o primeiro bebeu probióticos e o segundo não usou nenhuma vez. Em seguida, receberam estímulos para medir a sua resposta à luz emocional

As diferenças ficaram registradas em um teste de ressonância magnética bem específico.

Assim, uma dieta equilibrada que conta com a presença de probióticos pode ajudar você a ficar menos reativo em seu contato com o mundo.

Auxiliam na prevenção de rugas: Probióticos e bactérias boas no intestino ajudam a eliminar as toxinas que podem causar sinais iniciais de envelhecimento. Eles podem liberar o corpo desses radicais livres e ajudar a prevenir rugas precoces.

Melhoram o desempenho atlético: Os probióticos aumentam a absorção de nutrientes para que as células musculares tenham uma melhor base nutritiva. Esses nutrientes, em seguida, permitem um melhor tempo de recuperação fazendo com que o desempenho aumente ao longo do tempo.

Coração mais saudável:  Recentemente, pesquisadores canadenses descobriram que quem tinha colesterol alto e tomava iogurte com Lactobacillus reuteri teve o nível de LDL, o colesterol “ruim”, reduzido em quase 9% em seis semanas.

Saúde do intestino: O intestino é a maior glândula endócrina do organismo humano. Ali, diversos hormônios são secretados, todos essenciais ao bom funcionamento do corpo.

É claro que, intuitivamente, sabemos que o intestino é um dos maiores beneficiados pelos probióticos, pois é onde permanecem os microorganismos ingeridos. Ainda assim, foram estudados de forma específica os principais efeitos.

O impacto mais direto do consumo de probióticos para o intestino é em relação ao processo de digestão. Os probióticos podem impedir a constipação e tratar diversos tipos de diarreia.

Além disso, também fortalecem o sistema imunológico e previnem seus desequilíbrios. Ao levar em conta que as doenças auto-imunes são originárias da falta de equilíbrio desse sistema, percebemos que muitas condições podem ser evitadas ao manter o microbioma saudável com o consumo dos probióticos.

Menos tosse e resfriados: Tomar suplementos com probióticos reduziu em 12% o número de infecções do trato respiratório superior e diminuiu o número de pessoas que tiveram pelo menos um resfriado forte, de acordo com uma análise de dez estudos em 2011.

Aliviam problemas de pele: A pele e o intestino estão de mãos dadas. Uma vez que os probióticos ajudam a melhorar o microbioma intestinal e a reduzir a inflamação, as condições da pele também melhorarão. Ao manter uma dieta saudável e completa, as condições da pele melhoram ao longo do tempo. Quando o intestino não está bem, outras partes do corpo também começam a ter problemas e tornam-se tóxicas. Com os probióticos, seu intestino torna-se mais saudável e, portanto, seus problemas de pele começam a desaparecer.

Melhoram o funcionamento digestivo: Os probióticos combatem constipação, diarreia, colite, síndrome do intestino irritável, dor abdominal, doença de Crohn e flatulência. Os probióticos trabalham para aumentar o número de células de imunoglobulina e células produtoras de citocinas no intestino. Eles melhoram a população de bactérias saudáveis no trato gastrointestinal, repopulando o intestino para ajudar com a digestão.

Dentes e gengivas mais limpos: Uma revisão feita em 2011 verificou que os probióticos Lactobacillus reuteri e Bifidobacterium conseguem reduzir algumas cepas de bactérias prejudiciais que provocam cárie e gengivite.

POR QUE CONSUMIR PROBIÓTICOS:

Os probióticos são micro-organismos vivos que melhoram a saúde geral do corpo. As bactérias benéficas vivem no intestino e melhoram a flora, facilitam a absorção de nutrientes, ajudam a digestão e melhoram o sistema imunológico.

 

SINTOMAS E PROBIÓTICOS RECOMENDADOS:

Diarreia aguda (associada à gastroenterite): Lactobacillus reuteri DSM 17938, Lactobacillus reuteri ATCC 55730, Lactobacillus rhamnosus GG, Lactobacillus casei DN-114 001, Saccharomyces cerevisiae boulardii CNCM I-7454 y Lactobacillus gasseri CP2305.

Diarreia (depois do uso de medicamentos): Lactobacillus rhamnosus GG y Saccharomyces cerevisiae boulardii CNCM I-745.

Acidez de estomago (infecção por Helicobacter pylori): Lactobacillus johnsonii LA1 e Lactobacillus gasseri OLL2716.

Constipação: Lactobacillus reuteri DSM 17938, Lactobacillus reuteri ATCC 55730, Lactobacillus rhamnosus GG, Propionibacterium freudenreichii CIRM-BIA 129 e Lactobacillus gasseri CP2305.

Síndrome do intestino irritado: Lactobacillus acidophilus AD031, Lactobacillus acidophilus SDC 2012,2013, Lactobacillus casei DG, Lactobacillus plantarum 299v e Bifidobacterium longum NCC3001.

Resfriado comum e infecções virais: Lactobacillus casei Shirota y Streptococcus salivarius K12.

Caries e problemas de gengiva: Streptococcus salivarius M18.

Sobrepeso e colesterol alto: Lactobacillus gasseri BNR17, Lactobacillus gasseri SBT2055 e Bifidobacterium animalis GCL2505.

Sintomas depressivos: Bifidobacterium longum NCC3001.

Sintomas de ansiedade: Lactobacillus gasseri CP2305, Lactobacillus rhamnosus NCC4007 e Bifidobacterium longum NCC3001.

USO DOS PROBIÓTICOS PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA:

Efeitos colaterais:

Os efeitos colaterais mais comuns associados ao uso de probióticos são derivados do rápido crescimento da microbiota. Pessoas que usarem este tipo de suplemento pela primeira vez podem apresentar inchaço abdominal, flatulência e sensação de peso no estômago. Estes sintomas irão desaparecer progressivamente com o uso continuado.

Em casos mais raros, os probióticos são capazes de gerar infecções graves. Essa complicação aparece de maneira incomum em pessoas afetadas por algum tipo de déficit imunológico ou com um sistema imunológico pouco desenvolvido.

Se você é uma pessoa saudável no geral, o uso de probióticos provavelmente não lhe causará nenhuma complicação.

 

Contraindicações:

Indivíduos imunodeprimidos: Nos casos de imunossupressão secundária a infecção por HIV, transplantes ou alterações genéticas, o uso de probióticos é desencorajado. Neste caso, o microrganismo pode desencadear septicemia (infecção grave disseminada por todo o corpo).

Bebês: Existem probióticos especialmente projetados para aliviar a diarreia de bebês. No entanto, casos específicos de sepse (doença grave desencadeada por inflamação que se espalha pelo organismo diante de uma infecção) foram descritos em recém-nascidos gravemente doentes. Portanto, é aconselhável que o uso de probióticos em crianças seja acompanhado de perto por um pediatra.

Grávidas e mulheres em período de amamentação: Embora existam artigos orientados ao uso por mulheres grávidas, geralmente é aconselhável consultar o médico antes de adicionar qualquer suplemento à dieta de mulheres grávidas ou lactantes.

Pessoas com implantes de válvula cardíaca: Alguns estudos mostram casos de endocardite (infecção grave que afeta o coração) causada pela colonização de válvulas artificiais por

microrganismos probióticos. Aconselha-se precaução ao utilizar estes produtos entre pessoas submetidas a cirurgias cardíacas.

Intolerâncias e alergias:

É possível que o seu probiótico tenha sido fabricado em uma indústria que usa glúten, nozes, peixe ou lactose. Se você tem intolerância a qualquer um desses produtos, procure um artigo que especifique em sua rotulagem a ausência desses alérgenos.

Consulte o seu médico se houver algum sintoma inesperado após tomar o seu suplemento.

DUVIDAS SOBRE O USO:

Como tomar consumir probióticos em capsulas:

O recomendado é que o suplemento tenha entre 2 e 10 bilhões de bactérias ativas, sendo importante ler a etiqueta nutricional do produto, que deve indicar a quantidade de microrganismo por dose e qual a bactéria, isso porque é importante escolher a que seja melhor de acordo com a situação que deve ser tratada.

É recomendado fazer uso do suplemento durante 4 semanas e no caso de não haver melhora durante esse período, o ideal é experimentar outro suplemento.

Os probióticos devem ser ingeridos antes ou logo após uma refeição, para que os alimentos ajudem as bactérias a sobreviver ao ácido gástrico e a chegar até ao intestino, onde podem se multiplicar mais facilmente.

É importante lembrar que o consumo de probióticos na forma de suplementos ou de alimentos ricos nessas bactérias, também é importante manter uma alimentação saudável ricas em fibras, pois as fibras são os principais alimentos para os probióticos, favorecendo sua sobrevivência no intestino.

Como tomar suplementos probioticos:

Os probióticos contêm microrganismos vivos. Por isso, devemos seguir uma série de diretrizes específicas para garantir a vitalidade dessas células. Caso contrário, estaremos ingerindo centenas de bactérias mortas ou enfraquecidas, incapazes de nos ajudar. Siga o nosso conselho para tirar o máximo de proveito do seu probiótico:

Quando? Pode ser tomado a qualquer momento. Se você usar um probiótico para melhorar a digestão, é recomendável que você tome cerca de meia hora antes das refeições.

Como? Você pode tomar o suplemento apenas com água ou junto com a comida. No entanto, não ingira com alimentos ácidos nem líquidos muito quentes. Calor e ácido podem destruir os microrganismos probióticos.

Quanto? Cada probiótico tem uma dose certa, que estará em seu rótulo. Para pessoas que usam probióticos pela primeira vez, se aconselha uma dose diária máxima de 15 bilhões de unidades formadoras de colônias (UFC).

Armazenamento de suplementos probioticos:

Como prolongar a vida desses microrganismos tão apreciados? Especialistas aconselham armazenar seus probióticos em baixas temperaturas. O frio da geladeira (nunca o do congelador!) diminuirá o metabolismo das bactérias e prolongará sua vida útil. O calor e a exposição à luz solar terão o efeito contrário.

Por outro lado, não se esqueça do prazo de validade deste suplemento. Embora você possa ser mais “permissivo” com a data de vencimento dos elementos inertes (como minerais ou vitaminas), os probióticos só serão eficazes enquanto mantêm sua vitalidade, que desaparecerá logo após a data de validade.

CRITÉRIOS QUE UM SUPLEMENTO DEVE CUMPRIR PARA SER CONSIDERADO UM PROBÍOTICO:

Não é possível usar nenhuma bactéria presente no nosso organismo para criar um suplemento probiótico. O uso indiscriminado de certas espécies microbianas não oferece nenhum benefício e, “no pior dos casos”, pode ser uma ameaça à saúde. Um probiótico deve atender aos seguintes critérios antes de poder ser comercializado:

Evidência científica: É necessário que a eficácia do protobiótico tenha sido validada por estudos científicos de qualidade.

Segurança: Os microrganismos do probiótico não podem, sob nenhuma circunstância, tornar-se agressivos e causar infecções em uma pessoa saudável.

Vitalidade: Depois de encapsular o produto, as bactérias ou leveduras do probiótico devem permanecer vivas.

Sobrevivência: Será necessário que pelo menos metade dos microrganismos probióticos sobreviva à ingestão, digestão ou aplicação do produto, chegando vivos ao seu destino.

Estabilidade: Os organismos microscópicos contidos no probiótico devem permanecer vivos depois de embalados e permanecer ativos até a data de validade do produto.

Cepa adequada: Cada espécie bacteriana é dividida em diferentes “cepas” ou subtipos (pense em diferentes membros da mesma família). Será essencial escolher uma cepa ativa e com ações favoráveis. Por exemplo, a cepa 431 da espécie L. casei (L. casei 431).

Etiqueta: Informações probióticas devem aparecer em um rótulo visível, com informações verdadeiras que sejam fáceis de ler e entender.

SUPLEMENTO DE PROBIÓTICOS:

Muitos suplementos probióticos agora incluem algo conhecido como prebióticos, como o FOS e a inulina, os quais não são oligossacarídeos (açúcares/carboidratos) digeríveis. Eles não são capazes de serem digeridos, então não afetam o açúcar do sangue, de acordo com o Dr. Elson Haas em seu artigo “Staying Healthy with Nutrition” (“Ficar saudável com nutrição”). O que eles fazem é ajudar a promover o crescimento e atividade de bactérias amigáveis no trato intestinal, e inibir o crescimento de bactérias indesejáveis. Você pode pensar nos prebióticos como comida para os probióticos.

Existem vários tipos de suplementos, que incluem entre 1 até 10 tipos diferentes de probióticos. O mais importantes normalmente são:

Bifidobacteria animalis: Ajuda a fortalecer o sistema imune, além de ajudar na digestão e no combate a bactérias transmitidas por comida contaminada;

Bifidobacteria bifidum: Estão presentes no intestino delgado e grosso, ajudando na digestão dos lacticínios;

Bifidobacteria breve: Estão presentes no intestino e no trato vaginal e ajudam a combater infecções por bactérias e fungos;

Bifidobacteria longum: É um dos tipos de probióticos mais comuns no intestino e ajuda a eliminar toxinas do organismo;

Lactobacillus acidophilus: É talvez o tipo mais importante que ajuda na absorção de vários nutrientes, além de combater infecções e facilitar a digestão. Os L. acidophilus também estão presentes na vagina, ajudando a combater infecções;

Lactobacillus reuteri: Estão presentes especialmente na boca, estômago e intestino delgado, sendo importantes contra a infecção por H. pylori;

Lactobacillus rhamnosus: Estão presentes no intestino e podem ajudar a combater rapidamente casos de diarreia, especialmente quando se viaja para outros países. Também pode ajudar a tratar a acne, eczema e a infecção por Candida sp.;

Lactobacillus fermentum: Ajudam a neutralizar produtos e toxinas liberadas durante a digestão, melhorando o ambiente para o crescimento da flora intestinal;

Saccharomyces boulardii: Ajuda a tratar a diarreia causada por antibióticos ou a diarreia do viajante.

Quanto maior a diversidade de probióticos, assim como o número de bactérias dentro de cada comprimido, melhor será o suplemento, pois facilitará o desenvolvimento mais rápido de uma flora intestinal saudável.

Dicas para escolher probióticos em capsulas:

  • Eduque-se sobre quais composições de probiótico são as certas para você.
  • Verifique datas de validade para determinar se há bactérias vivas.
  • Tente escolher probióticos refrigerados, o que ajuda a manter a bactéria do probiotico viva.
  • Verifique se nos rótulos há selos de garantia de qualidade, como CL e GMP.
  • Procure pelo número viável de bactérias por dose. Uma dose efetiva varia amplamente entre 50 milhões e 3 trilhões de células por dose.

 

PERGUNTAS FREQUENTES:

Que são Probióticos?

São organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro.

Como consumir probióticos?

Para se beneficiar dos probióticos, é preciso consumir diariamente os micro-organismos. E isto pode ser feito através de suplementos, por indicação médica, ou refeições com alimentos ricos em bactérias “boas”, como iogurtes, kefir, kombucha ou leites fermentados.

Quais são os alimentos probióticos?

Os alimentos que contêm micro-organismos benéficos para o corpo são chamados de alimentos probióticos. São exemplos de alimentos probióticos os fermentados como o chucrute, kimchee, kombucha, kefir, gengibre em conserva, pepino em conserva, beterraba fermentada, entre outros.

Qual o melhor horário para tomar probióticos?

Os probióticos devem ser ingeridos antes ou logo após uma refeição, para que os alimentos ajudem as bactérias a sobreviver ao ácido gástrico e a chegar até ao intestino, onde podem se multiplicar mais facilmente.

O que acontece se tomar muito Probiotico?

Embora o seu consumo possa fornecer vários benefícios, também pode causar efeitos colaterais. Quando usamos probióticos pela primeira vez, algumas pessoas sentem gases, inchaço ou diarréia. No entanto, esses efeitos colaterais geralmente desaparecem em poucos dias ou semanas após o seu uso.

Quanto tempo o Probiotico faz efeito?

Os probióticos devem ser ingeridos pelo menos duas horas depois da toma dos antibióticos. A cura deve continuar após o fim do tratamento, em média durante uma a duas semanas. Este tipo de efeitos benéficos é dos mais documentados no plano científico.

Como os Probioticos agem no intestino?

Os probióticos são microorganismos vivos que apresentam efeitos benéficos ao hospedeiro. Quando ingeridos em determinadas quantidades, equilibram a microflora intestinal, melhorando o balanço microbiano intestinal e contribuindo para a saúde humana.

Pode tomar Probiotico ao mesmo tempo do antibióticos?

Embora você possa tomar probióticos enquanto usa antibióticos, não o faça ao mesmo tempo. A recomendação é esperar pelo menos duas horas antes ou depois de tomar o antibiótico para consumir seu suplemento probiótico.

Quem tem síndrome do intestino Irritavel pode tomar Probioticos?

A administração de probióticos tem efeitos significativamente positivos sobre a melhora dos sintomas da Síndrome do Intestino Irritável, sendo uma alternativa útil de tratamento.

Quais são os tipos de probióticos?

As formas mais comuns de apresentação dos probióticos são os produtos lácteos e os alimentos fortificados. Mas também existem no mercado comprimidos, cápsulas e sachês contendo essas bactérias. Os probióticos mais usados em alimentos são as espécies dos gêneros Bifidobacterium e Lactobacillus .

Quais micro-organismos estão nos probióticos?

Os probióticos podem conter uma variedade de micro-organismos. Os mais comuns são as bactérias que pertencem aos grupos chamados Lactobacillus e Bifidobacterium. Cada um desses dois grandes grupos inclui muitos tipos de bactérias. Outras bactérias probióticas são leveduras como Saccharomyces boulardii.

Quem não pode tomar Probioticos?

Qualquer pessoa com alergia ou intolerância a glúten, soja, ovos, laticínios ou lactose pode precisar ter cautela ao escolher probióticos. Se uma pessoa tem uma condição que afeta seu sistema imunológico, deve falar com seu médico antes de tomá-los.

Pode tomar Probiotico com diarreia?

A diarreia é um efeito colateral comum do antibiótico, pois ele afeta a microbiota intestinal como um todo, não apenas as bactérias patógenas. Tomar probióticos pode ajudar a prevenir a diarreia associada ao uso de antibióticos, repovoando com o intestino com bactérias benéficas.