O QUE É A VITAMINA A:

A Vitamina A ou Retinol é um micronutriente pertencente ao grupo das vitaminas lipossolúveis, podendo ser encontrada no tecido animal sob a forma de retinóides ou como pró-vitamina em tecidos vegetais, sob a forma de carotenoide. No organismo humano a vitamina A pode ser encontrada de três formas, o retinol, retinal e o Ácido retinoico, sendo o último o principal e mais abundante metabólito intracelular em mamíferos.

A vitamina A é importante para a saúde da visão, dos cabelos, do sistema imunológico e da pele, pois auxilia na cicatrização, na textura dos ossos e na formação de colágeno. Ela é responsável pelo bom funcionamento de todos os tecidos do nosso corpo e, por ser uma vitamina antioxidante, ajuda na eliminação de radicais livres.

Vitaminas Lipossolúveis: As Vitaminas Lipossolúveis são aquelas solúveis em lipídios ou outros solventes orgânicos, mas que não são solúveis em água. Elas só podem ser absorvidas pelo organismo através da presença lipídios, bile e suco pancreático.

Essa absorção ocorre no intestino do organismo, e então essas vitaminas são transportadas pelo sistema linfático. Essas vitaminas são armazenadas no fígado ou nos tecidos do corpo. As vitaminas lipossolúveis são eliminadas de forma mais difíceis pelo organismo.

As vitaminas lipossolúveis são:

  • Vitamina A
  • Vitamina D
  • Vitamina E
  • Vitamina K

ONDE A A VITAMINA A É ENCONTRADA:

Os alimentos ricos em Vitamina A são principalmente fígado, gema de ovo e óleos de peixes. Os vegetais como cenoura, espinafre, manga e mamão também são boas fontes dessa vitamina porque contêm carotenóides, substância que no organismo será transformada em vitamina A.

Vitamina A pré-formada (retinol): gema de ovos, peixes, fígado, leites, manteiga e compostos lácteos. Vale ressaltar que o leite humano apresenta quantidades adequadas de vitamina A para os bebês.

Pró Vitamina A (carotenoides): alimentos vegetais folhosos de coloração verde-escura (espinafre, couve etc.) e legumes e frutas não cítricas de coloração alaranjada (cenoura, abóbora, mamão, manga etc.). Vale ressaltar que algumas crianças, por maior ingestão desses alimentos, podem apresentar hipercarotenemia (coloração amarelada em palmas de mãos e plantas de pés), situação não tóxica e reversível, bastando diminuir a ingestão desses alimentos ricos em carotenoides.

Alimentos ricos em vitamina A de origem animal

Vitamina A (mcg)

Óleo de figado de bacalhau

30000

Figado de vaca grelhado

14200

Figado de frango grelhado

4900

Queijo cottage

653

Manteiga com sal

565

Mariscos ao vapor

171

Ovo cozido

170

Ostras cozidas

146

Leite de vaca integral

56

Iogurte natural semi-desnatado

30

 

 

Cenoura crua

2813

Batata-doce cozida

2183

Cenoura cozida

1711

Espinafres cozidas

778

Espinafres cruas

550

Manga

389

Pimentão cozido

383

Acelgas cozidas

313

Pimentão cru

217

Ameixa seca

199

Brócolis cozido

189

Melão

167

Papaia

135

Tomate

85

Abacate

66

Beterraba cozida

20

A vitamina A também pode ser encontrada em suplementos como o óleo de fígado de peixe, que podem ser usados em casos de carência de vitamina A, seguindo orientação médica ou do nutricionista. Os sintomas da falta de vitamina A podem se manifestar com lesões na pele, infecções frequentes e cegueira noturna, que é a dificuldade de adaptar a visão em lugares com pouca luz. Normalmente os prejuízos causados pela falta de vitamina A são reversíveis, devendo-se tomar suplementos de vitamina para suprir a carência, de acordo com orientação médica.

COMO A A VITAMINA A AGE NO CORPO:

Estudos mais recentes vêm mostrando que a Vitamina A age como antioxidante (combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e estão associados a algumas doenças).

IMPORTÂNCIA DA A VITAMINA A:

Elas participam do metabolismo celular e caso estejam em falta podem causar alguns problemas de saúde. A Vitamina A é importante para o crescimento adequado e diferenciação dos tecidos de vários órgãos, em especial, os olhos. Ela também mantém boca, nariz, olhos e estômago saudáveis.

FUNÇÃO DA A VITAMINA A:

A vitamina A tem funções como manter a saúde da visão, da pele e dos cabelos, fortalecer o sistema imunológico e garantir o bom funcionamento dos órgãos reprodutivos. Por ser um antioxidante, ela também é importante para a prevenção do envelhecimento precoce, de doenças cardiovasculares e de câncer.

Outras funções: A vitamina A também está relacionada com o desenvolvimento dos ossos, ação protetora na pele e mucosa, possui função essencial na capacidade funcional dos órgãos do trato reprodutivo, participa do fortalecimento do sistema imunológico, está relacionada com o desenvolvimento e manutenção do tecido epitelial, contribui para o desenvolvimento normal dos dentes, para a conservação do esmalte dentário, manutenção do bom estado do cabelo e na prevenção da oxidação celular através dos carotenoides pró-vitaminicos A, que atuam como fontes desta vitamina.

A VITAMINA A É INDICADO PARA:

A vitamina A é um micronutriente encontrado em fontes de origem animal (retinol) e vegetal (provitamina A). É um elemento indispensável para garantir a saúde dos nossos olhos (manter uma boa visão e hidratação da superfície ocular) e também, a renovação adequada das células que compõem os tecidos do nosso corpo.

O corpo humano não pode fabricar esta vitamina, portanto, toda a vitamina A de que necessitamos deve vir dos alimentos (1). Entre os alimentos de origem animal, as principais fontes são: leite humano, fígado, gema de ovo e leite. A provitamina A é encontrada em vegetais folhosos verdes (como espinafre e couve), vegetais amarelos (como abóbora e cenoura) e frutas amarelo-alaranjadas (como manga, caju, goiaba, mamão e caqui), além de óleos e frutas oleaginosas (buriti, pupunha, dendê e pequi) que são as mais ricas fontes de provitamina A. Um benefício das provitaminas é a conversão em vitamina A ativa e a ação como potentes antioxidantes.

Somos capazes de armazenar vitamina A no fígado, garantindo uma reserva, que será utilizada na medida em que houver necessidade. Se essa reserva está reduzida e não ingerimos alimentos que contêm vitamina A suficiente para satisfazer as necessidades nutricionais do nosso corpo, ocorre a deficiência. A deficiência de vitamina A pode se manifestar como deficiência subclínica ou como deficiência clínica.

Visão:  Na retina, a falta de vitamina A prejudica a síntese de rodopsina – proteína que auxilia no processo de reação fotoquímica. Sua ausência traz consequências como cegueira noturna (CN), a primeira manifestação de DVA quanto à visão. Caso o problema não seja tratado rapidamente, o paciente pode chegar à cegueira irreversível – que se caracteriza como uma das principais causas de cegueira evitável no mundo.

Um dos indicadores mais fáceis de serem aplicados, em função de sua metodologia e do baixo custo, é a avaliação do estado nutricional de vitamina A por meio do indicador funcional (diagnóstico da CN). Para isso, utiliza-se a entrevista padronizada pela World Health Organization (WHO) e pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPS).

Imunidade: A vitamina A está diretamente associada ao sistema imunológico. Quando há deficiência no organismo, ela reduz a resistência do corpo a infecções. De maneira geral, a vitamina A desempenha papel-chave quanto à manutenção da integridade das mucosas; diferenciação, crescimento e função de neutrófilos, monócitos, células de Langerhans e linfócitos T e B.

O retinol atua, ainda, na modulação da resposta de células fagocitárias e no estímulo à fagocitose; expressão de mucina, queratina e citocinas; produção de imunoglobulinas; e aumento na resposta de timócitos a mitógenos específicos.

Em indivíduos obesos, a falta de vitamina A é ainda mais danosa do que em pessoas de peso normal. Estudos apontam uma correlação negativa entre a obesidade e as concentrações séricas de vitamina A. Entre as consequências está o favorecimento à aparição ou agravamento de Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNTs).

Estresse oxidativo: Polivalente, a vitamina A também exerce função antioxidante. Quando em alta, ela protege o organismo da ação do estresse oxidativo, prevenindo eventuais lesões teciduais relacionados a enfermidades crônicas.

Os carotenoides, por exemplo, são cinco vezes mais eficientes do que os retinoides na proteção contra o estresse oxidativo, atuando na neutralização de radicais livres mediante transferência de energia excitável do oxigênio singleto para o carotenoide.

PARA QUE SERVE A A VITAMINA A:

Fundamental para o funcionamento normal do sistema visual, protege os olhos contra a degeneração macular e ainda ajuda no crescimento e manutenção das mucosas.

A principal função da vitamina A é manter a saúde da visão, isso porque ela compõe a proteína rodopsina que absorve a luz através da retina e ajuda a diferenciação e o funcionamento adequado das córneas e das membranas conjuntivas dos olhos. Por isso, a principal causa da deficiência de vitamina A é a cegueira noturna, que se caracteriza pela dificuldade de adaptar a visão em lugares com pouca luz.

A vitamina A também serve para auxiliar o sistema imunológico na sua função de proteger o corpo contra infecções e garantir o bom funcionamento dos órgãos reprodutivos. Além disso, ela é um poderoso antioxidante, importante para a prevenção do envelhecimento precoce, contribuindo para a saúde da pele e dos cabelos.

Algumas pesquisas apontam ainda que a vitamina A ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares e do câncer embora ainda não haja comprovação para esta última hipótese. Ela também contribui para o crescimento e diferenciação celular, fundamental para a formação e manutenção do coração, pulmões e rins.

Vitamina A para acne: O quadro inflamatório da acne pode ser reduzido com a inserção de vitamina A na dieta, já que a mesma age na inibição da indução da IL-17 pela bactéria Propionibacterium acnes. Entretanto, uma das principais fontes de vitamina A são os vegetais e o consumo dos mesmos é muito baixo na população brasileira.

Vitamina A para a pele: Sua forma mais comum leva o nome de retinol. Essa vitamina é responsável pela renovação celular e na produção de novas fibras de colágeno na pele. Ela também atua contra a flacidez, linhas finas de expressão, age contra o fotoenvelhecimento, além de diminuir espinhas e marcas de acne.

Vitamina A para as unhas: Vitamina A ajuda a regenerar as unhas e deixá-las mais fortes e hidratadas. Por ser responsável pela renovação e regeneração dos tecidos, a vitamina A é indispensável para combater o enfraquecimento das unhas.

Vitamina A para a visão: O papel da vitamina A é essencial em nossa visão! Ela é uma das responsáveis por manter a nossa córnea clara, que é a cobertura externa dos nossos olhos. Na vitamina A há um componente chamado rodopsina, que é a proteína em nossos olhos que faz com que a gente consiga enxergar em ambientes com pouca iluminação.

Vitamina A para a barba: Ajuda à produção de sebo em quantidades normais. É um poderoso lubrificante natural. Os fios da barba ou bigode e a pele do rosto ficam com um aspeto mais hidratado e brilhante.

Vitamina A para cabelos: Uma vez que os fios ficam mais saudáveis hidratados, a vitamina A no cabelo ajuda a reduzir a quebra e também as pontas duplas. Graças ao seu super potencial antioxidante, ela protege o organismo dos radicais livres. Por fim, todos esses benefícios significam fios longos, hidratados e livres da queda.

Vitamina A para cicatrização: Este nutriente é capaz de regenerar a pele e oferecer energia para sua recuperação, por isso, é fundamental na reparação de lesões, tanto externas quanto internas.

Vitamina A para bebe de 6 meses: Os suplementos de vitamina A devem ser oferecidos à criança de 6 em 6 meses. O intervalo seguro entre a administração de duas megadoses é de 4 meses. Os suplementos de vitamina A são administrados por via oral e não devem ser administrados por via intramuscular ou endovenosa.

Vitamina A para estrias: Responsável pela formação celular, a vitamina A é essencial para auxiliar no processo de rejuvenescimento da pele. Pode ser encontrada em alimentos como o ovo, espinafre, couve e batata doce. É recomendado que seu consumo seja feito de forma mais natural e com baixo teor calórico.

Vitamina A para imunidade:  Entre suas propriedades, ajuda a modular a imunidade. É encontrada na natureza em sua forma ativa pré-formada (o retinol) em alimentos de origem animal, bem como nos seus precursores, os carotenoides, que aparecem em vegetais — o corpo tende a aproveitar melhor a versão de origem animal.

Vitamina A para lactantes: Até o ano de 2000, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendava a suplementação com dose única (200.000UI) de vitamina A para lactantes, que poderia ser administrada até o final do segundo mês pós-parto.

Vitamina A para manchas na pele: A vitamina A é responsável pela renovação celular e na produção de novas fibras de colágeno na pele. Ela também atua contra a flacidez, linhas finas de expressão, age contra o fotoenvelhecimento, além de diminuir espinhas e marcas de acne.

Vitamina A para recém nascido: Essa função antioxidante da vitamina A é de grande importância no nascimento, período no qual o recém-nascido produz grande quantidade de radicais livres em resposta à exposição a elevadas concentrações de oxigênio.

Vitamina A para o corpo: A Vitamina A é importante para o crescimento adequado e diferenciação dos tecidos de vários órgãos, em especial, os olhos. Ela também mantém boca, nariz, olhos e estômago saudáveis.

Vitamina A para rugas: Não é novidade que o retinol é indicado para prevenir os sinais do envelhecimento biológico e do fotoenvelhecimento. Ele age de forma intensa sobre as rugas mais profundas, melhorando a textura e uniformizando o tom da pele.

Vitamina A para vitiligo: A beta-carotina é um formulário do precursor da vitamina A com actividade antioxidante imensa. Joga um papel em manter a cor da pele normal; além disso, o depósito da pele de carotenóides dietéticos fornece o photoprotection para as peles levemente pigmentadas.

BENEFÍCIOS DA A VITAMINA A:

Ação antioxidante: A vitamina A tem um efeito antioxidante. Assim ela evita a ação dos radicais livres que teriam efeito nocivo para as células e são tidos como causadores de arteriosclerose, catarata, tumores, doenças de pele, entre outros.

Boa para os olhos: A vitamina A é importante para a visão porque protege a córnea, parte do olho que transmite e concentra a luz que entra no olho. A baixa ingestão deste nutriente pode fazer com que a pessoa tenha dificuldade em enxergar em locais com a luz fraca e causar alterações oculares, em casos extremos pode levar à cegueira total.

Evita infecções: É importante destacar que as células da pele e das mucosas, que revestem as vias respiratórias, do aparelho digestivo e do trato urinário, atuam como uma barreira e são a primeira linha de defesa do corpo contra infecções. Desta forma, a vitamina A é importante porque mantém as funções e a integridade dessas células.

Além disso, o nutriente age no desenvolvimento e diferenciação de células brancas do sangue, tais como os linfócitos, os quais desempenham papel principal no sistema imunológico. A ação antioxidante desta vitamina irá contribuir para que ela tenha um efeito protetor.

De acordo com um estudo realizado pela American Society for Microbiology a suplementação de crianças pré-escolares com vitamina A aumenta a imunidade e assim diminui o risco de morte por doenças como diarreia, malária e HIV.

Importante para a pele: A vitamina A é necessária para manter a integridade e função das células da pele e das mucosas. Além disso, o nutriente age na reparação do epitélio da pele. Alguns estudos tentaram comprovar se a vitamina A ajuda a prevenir ou tratar o câncer de pele, porém nada ainda foi comprovado.

Contribui para o crescimento: A vitamina A contribui para o crescimento de diferentes maneiras. Ela é essencial para a proliferação e divisão celular e também regula a expressão do gene para a formação do hormônio de crescimento, o GH.

Previne o câncer: Por ter ação antioxidante e contribuir para a correta proliferação e diferenciação celular algumas pesquisas sugerem que a vitamina A é capaz de mudar células cancerígenas e prevenir que células normais se tornem cancerígenas.

Contudo, ainda não se conseguiu provar que a vitamina A de fato ajuda a prevenir o câncer. Inclusive, algumas pesquisas provaram o contrário. Uma pesquisa publicada no The New England Journal of Medicine feita com mais de 18 mil pessoas fumantes, ex-fumantes e pessoas expostas ao amianto concluiu que a combinação entre suplementos de betacaroteno e vitamina A pode aumentar o risco de câncer no pulmão e doenças cardiovasculares.

Boa para as gestantes: É importante que a grávida receba as quantidades corretas de vitamina A, pois ela é essencial para o crescimento embrionário. A substância contribui para o desenvolvimento dos ombros, formação do coração, olhos e ouvidos. Ela também regula a expressão do gene para a formação do hormônio do crescimento, o GH.

POR QUE CONSUMIR A A VITAMINA A:

A vitamina A atua principalmente na visão, mas também possui papel importante como antioxidante e no funcionamento do sistema imunológico. As vitaminas são micronutrientes fundamentais para o funcionamento do organismo que devem ser adquiridos por meio da alimentação.

DEFÍCIÊNCIA DE A VITAMINA A NO CORPO:

A deficiência de Vitamina A tem repercussões que afetam as estruturas epiteliais de diferentes órgãos, sendo os olhos os mais atingidos. A Vitamina A é essencial ao crescimento e desenvolvimento do ser humano. Atua também na manutenção da visão, no funcionamento adequado do sistema imunológico (defesa do organismo contra doenças, em especial as infecciosas), mantém saudáveis as mucosas (cobertura interna do corpo que recobre alguns órgãos como nariz, garganta, boca, olhos, estômago) que também atuam como barreiras de proteção contra infecções. Estudos mais recentes vêm mostrando que a Vitamina A age como antioxidante (combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e estão associados a algumas doenças). Porém, recomenda-se cautela no uso de vitamina A, uma vez que, em excesso, ela também é prejudicial ao organismo.

 

Causas:

  • Falta de amamentação ou desmame precoce: o leite materno é rico em vitamina A e é o alimento ideal para crianças até seis meses de idade;
  • Consumo insuficiente de alimentos ricos em vitamina A;
  • Consumo insuficiente de alimentos que contêm gordura: o organismo humano necessita de uma quantidade de gordura proveniente dos alimentos para manter diversas funções essenciais ao seu bom funcionamento. Uma delas é permitir a absorção de algumas vitaminas, chamadas lipossolúveis (Vitaminas A, D, E e K);
  • Infecções freqüentes: as infecções que acometem as crianças levam a uma diminuição do apetite: a criança passa a ingerir menos alimentos podendo surgir uma deficiência de Vitamina A. Além disso, a infecção faz com que as necessidades orgânicas de Vitamina A sejam mais altas, levando a redução dos estoques no organismo e desencadeando ou agravando o estado nutricional.

Sintomas:

Um dos epitélios severamente afetados é o do revestimento ocular, levando à xeroftalmia (nome dado aos diversos sinais e sintomas oculares da hipovitaminose A). A forma clínica mais precoce da xeroftalmia é a cegueira noturna onde a criança não consegue boa adaptação visual em ambientes pouco iluminados; nos estágios mais avançados a córnea também está afetada constituindo a xerose corneal, caracterizada pela perda do brilho, assumindo aspecto granular, e ulceração da córnea; a ulceração progressiva pode levar à necrose e destruição do globo ocular provocando a cegueira irreversível, o que é chamado de ceratomalácia.

 Infecções freqüentes podem indicar carência, pois a falta de Vitamina A reduz a capacidade do organismo de se defender das doenças.

Diagnósticos:

  • Avaliação médica
  • Exames de sangue
  • Melhora dos sintomas quando são administrados suplementos de vitamina A

O médico suspeita da presença de deficiência de vitamina A tomando por base os sintomas, como cegueira noturna.

O médico mede os níveis de vitamina A no sangue. No entanto, os níveis não diminuem até que a deficiência esteja grave, uma vez que o organismo armazena grandes quantidades de vitamina A.

Se as pessoas tiverem dificuldade em enxergar no escuro, podem ser realizados exames, como a eletrorretinografia, para determinar se a deficiência de vitamina A é a causa.

Para ajudar a confirmar a deficiência de vitamina A, é possível que o médico administre suplementos de vitamina A à pessoa para verificar se ocorre uma melhora dos sintomas.

 

Prevenção:

Para ajudar a prevenir a deficiência de vitamina A, as pessoas devem ingerir verduras de folhas verde-escuras, frutas amarelas e alaranjadas (tais como papaias e laranjas), cenouras e verduras amarelas (tais como abobrinha e abóbora). Outras fontes de alimentos incluem leite e cereais que são fortificados com vitamina A, fígado, gema de ovo e óleo de fígado de peixe. Os carotenoides, que dão a cor amarela, alaranjada ou vermelha a frutas e verduras e são convertidos em vitamina A no organismo, são mais bem absorvidos a partir de verduras cozidas ou homogeneizadas, servidas juntamente com algum óleo ou gordura.

Crianças que vivem em países em desenvolvimento e estão sob risco de apresentar deficiência de vitamina A devem ingerir suplementos de vitamina A.

 

Tratamento:

  • Suplementos de vitamina A

Pessoas que apresentam deficiência de vitamina A recebem doses elevadas de vitamina A, geralmente por via oral, durante vários dias, seguidas por doses mais baixas, até haver melhora da visão e da pele. Bebês não devem receber doses elevadas repetidamente, porque essas doses podem ser tóxicas.

 

HIPOVITAMINOSE A:

Assim como todas as vitaminas é possível que a quantidade de vitamina A esteja abaixo da ideal, essa condição é chamada de hipovitaminose A. Os casos de hipovitaminose podem levar a diversas doenças como por exemplo a cegueira e a xeroftalmia, que são diferentes manifestações de sintomas oculares. A xeroftalmia é uma importante causa se morte nos países em desenvolvimento. Além dos problemas oculares, uma vez que a vitamina A está envolvida em diversas funções biológicas, a hipovitaminose A também pode levara problemas infecciosos constantes, uma vez que as células imunes ficam menos ativas e também ter outras funções como o metabolismo dos ossos e da pele prejudicados, fazendo que estes tecidos não estejam completamente saudáveis.

USO DA A VITAMINA A PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA:

Efeitos colaterais:

Distúrbios visuais: Alterações da visão;

Distúrbios gastrintestinais: Dor na barriga e no estômago (dor abdominal e gastrintestinal), náusea, vômito e diarreia;

Distúrbios hepato-biliares: Icterícia, aumento do tamanho do fígado (hepatomegalia), acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática). Cirrose, fibrose hepática e toxicidade para o fígado (hepatotoxicidade) têm sido associadas ao tratamento por período prolongado com vitamina A;

Distúrbios do sistema imunológico: Reações alérgicas, reação anafilática e choque anafilático.

Alergia (reações de hipersensibilidade) com suas respectivas manifestações clínicas e laboratoriais como reações leves a moderadas afetando potencialmente a pele, o trato respiratório, o trato gastrintestinal e o sistema cardiovascular, incluindo sintomas como erupção cutânea, urticária, edema alérgico, coceira (prurido), dificuldade para respirar (insuficiência respiratória) e, muito raramente, reações graves incluindo choque anafilático foram descritas;

Alterações laboratoriais: Prova de função hepática alterada, elevação de aspartato aminotransferase e alanina aminotransferase, aumento de triglicérides no sangue;

Distúrbios nutricionais e do metabolismo: Hipercalcemia (aumento de cálcio no sangue) e alterações do metabolismo de lipídios (gorduras);

Distúrbios músculo-esquelético e do tecido conjuntivo: Osteoporose e dor nos ossos. O aumento da ingestão de vitamina A seja na dieta ou na suplementação tem sido associado ao aumento de osteoporose e do risco de fraturas de quadril;

Distúrbios do sistema nervoso: Dor de cabeça. Dor de cabeça de início súbito pode ser sintoma de pseudotumor cerebral;

Distúrbios da pele e do tecido subcutâneo: Coceira, urticária, erupção na pele, pele seca, dermatite esfoliativa, queda de cabelos (alopecia), dermatite, eczema, vermelhidão (eritema), alteração da cor da pele (descoloração da pele), alteração da textura do cabelo e dos pelos, diminuição dos pelos (hipotricose), mucosas secas, fragilidade da pele e inflamação dos lábios (queilite) têm sido associadas ao uso crônico de vitamina A. Alterações da pele estão frequentemente entre os primeiros sinais de hipervitaminose A.

 

Riscos do consumo em excesso:

O excesso de vitamina A ocorre por meio da suplementação e pode ser tóxico. Grandes quantidades do nutriente podem causar problemas como náuseas, vômitos, dor de cabeça, irritação cutânea, dores articulares, densidade mineral óssea diminuída, podendo causar osteoporose e até coma em casos extremos e raros.

O excesso desta vitamina também pode causar falta de apetite, edema, cansaço, irritabilidade, sangramentos, aumentos do baço e fígado, alterações de provas de função hepática e redução dos níveis de colesterol HDL. Em alguns casos, o excesso de vitamina A pode ser fatal.

Sintomas do excesso de vitamina A: O excesso de ingestão de vitamina A provoca dor de cabeça, ressecamento da pele com fissuras, náuseas, dores nos ossos e articulações, perda de cabelos, aumento do baço e fígado, irritabilidade, cansaço, falta de apetite e alterações nas enzimas hepáticas.
A hipervitaminose A só ocorre através de suplementação, portanto, cuidado com a ingestão de suplementos .

 

Contraindicações:

  • Preparação de alta dose oral de vitamina A: síndromes de má absorção;
  • Hipervitaminose A;
  • Sensibilidade conhecida a vitamina A ou a qualquer outro componente das formulações;
  • Dosagens superiores a RDA contraindicada em mulheres que estão ou podem engravidar.

DUVIDAS SOBRE O USO:

Como tomar a vitamina A:

Conhecido também como retinol, o nutriente é uma vitamina lipossolúvel essencial para a visão, e pode ser facilmente obtido através da alimentação diversificada e saudável. Ingestão diária recomendada é de 900 microgramas (3.000 UI) para homens e 700 mcg (2.300 UI) para mulheres.

Quantidade recomendada de vitamina A:

As necessidades de vitamina A variam de acordo com a fase da vida:

  • Bebês de 0 a 6 meses: 400 mcg/dia
  • Bebês de 6 a 12 meses: 500 mcg/dia
  • Crianças de 1 a 3 anos: 300 mcg/dia
  • Crianças de 4 a 8 anos: 400 mcg/dia
  • Meninos de 9 a 13 anos: 600 mcg/dia
  • Meninas de 9 a 13 anos: 600 mcg/dia
  • Homens a partir de 14 anos: 900 mcg/dia
  • ​Mulher a partir de 14 anos: 700 mcg/dia
  • Gestantes: 750 a 770 mcg/dia
  • Lactentes: 1200 a 1300 mcg/dia

Esses valores são a quantidade mínima de vitamina A que deve-se ingerir por dia para manter o bom funcionamento do organismo.

 

Qual é o melhor horário para tomar a vitamina A:

É indicado que a ingestão do multivitamínico seja feita durante uma refeição, como o jantar ou o almoço. Isso porque alguns alimentos auxiliam o organismo a absorver as substâncias. Assim, tomar durante as refeições melhora o efeito do suplemento.

SUPLEMENTO DE  VITAMINA A:

Os suplementos a base de Vitamina A e do precursor desta vitamina: Betacaroteno, são ricos em vitaminas e minerais que proporcionam uma pele mais saudável e hidratada, além de beneficiar o organismo com o efeito antioxidante. Dentre os efeitos que este multivitamínico oferece para a pele estão: elasticidade, brilho, coloração e melhor bronzeamento da pele.

O uso do suplemento de vitamina A:

O suplemento de vitamina A é orientado em quadros clínicos de hipovitaminose, condição detectada por meio de um exame de sangue. Em casos de pacientes com relatos de alimentação inadequada, com déficit de ingestão de nutrientes, a suplementação também pode ser recomendada. É o médico ou nutricionista que irá definir a necessidade do suplemento ou não.

É importante destacar que não é preciso ingerir suplementos quando a alimentação é balanceada. Lactantes podem conversar com o médico sobre o consumo do suplemento de vitamina A, pois elas necessitam de maiores quantidades deste nutriente. Crianças com idades entre seis e onze meses também podem precisar do suplemento, por isso é interessante que seus pais falem com o pediatra sobre o assunto.

Uma pesquisa publicada no Journal of the National Cancer Institute feita com 29 mil fumantes concluiu que o excesso de vitamina A por meio de suplementação pode aumentar o risco de câncer de pulmão. Portanto, os fumantes devem tomar cuidado ao ingerir os suplementos do nutriente e conversar com o médico ou nutricionista sobre o assunto.

Combinações:

Vitamina A + gorduras e proteínas: Ao consumir alimentos de origem vegetal ricos em betacaroteno, a conversão dele em vitamina A ocorre na parede do intestino delgado sendo influenciada pela ingestão de gorduras e proteínas da dieta.

Vitamina A + zinco: A vitamina A que é absorvida no intestino será estocada no fígado, mas para que possa ser transportada nos vasos sanguíneos o zinco é necessário.

Vitamina A + ferro: Além da vitamina C, a vitamina A é outra substância que também contribui para a absorção do ferro - esse nutriente importante para evitar anemia e outros problemas relacionados à imunidade. Nesse caso, a função da vitamina é se unir ao mineral formando uma espécie de complexo solúvel para impedir que outras substâncias possam atrapalhar sua digestão.

Para isso, você pode almoçar ou jantar alimentos ricos em ferro - como o feijão - e acrescentar no prato outros que possuam vitamina A em sua composição - como é o caso da cenoura e do espinafre. Assim como ocorre com a vitamina C, suco e sobremesa com salada de frutas - com manga e mamão - também são opções!

PERGUNTAS FREQUENTES:

O que é a vitamina A?

A Vitamina A ou Retinol é um micronutriente pertencente ao grupo das vitaminas lipossolúveis, podendo ser encontrada no tecido animal sob a forma de retinóides ou como pró-vitamina em tecidos vegetais, sob a forma de carotenoide. No organismo humano a vitamina A pode ser encontrada de três formas, o retinol, retinal e o Ácido retinoico, sendo o último o principal e mais abundante metabólito intracelular em mamíferos.

O que causa a falta de vitamina A no corpo?

A falta de vitamina A pode causar ulcerações nas córneas ou ceratoconjuntivite, podendo evoluir para necroses. Presentes em alimentos como beterraba, cenoura, batata-doce e couve, a falta desta vitamina também pode contribuir para a queda de cabelo, unhas quebradiças, pele seca e cegueira noturna.

Qual é a principal função da vitamina A?

A Vitamina A é importante para o crescimento adequado e diferenciação dos tecidos de vários órgãos, em especial, os olhos. Ela também mantém boca, nariz, olhos e estômago saudáveis.

Qual a importância da vitamina A para a visão?

A vitamina A e a visão são aliados potentes. As cenouras contêm uma grande quantidade de betacaroteno e vitamina A, que podem contribuir para a saúde dos seus olhos e constituir uma fonte fantástica de vitaminas para os olhos contra a degeneração macular e a catarata.

Quais as frutas ricas em vitamina A?

Em geral, frutas e legumes amarelos e alaranjados e vegetais verde-escuros são ricos em carotenóides: manga, mamão, cajá, caju maduro, goiaba vermelha, abóbora/jerimum, cenoura, acelga, espinafre, chicória, couve, salsa etc.