Articulações

Pessoas que sofrem com dores nas articulações por consequência de artrose, artrite ou desgaste nas cartilagens e articulações buscam cada vez mais soluções que possam devolver a saúde e a qualidade de vida, curando assim a falta de mobilidade que esses problemas trazem. Veja nessa categoria suplementos e remédio naturais para articulações, que aliviam os sintomas desagradáveis de doenças articulares, que são tratamentos completamente naturais para ajudar você a se prevenir e se livrar das dores das articulações, e proporcionar às suas articulações mais força e lubrificação.

Itens 1 para 15 de 23 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

Itens 1 para 15 de 23 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

O QUE É:

As articulações são áreas do corpo com estruturas complexas, pois incluem extremidades ósseas, membrana sinovial, tendões, ligamentos, bursas e cartilagem. É graças a esse conjunto de elementos que podemos nos mexer, mas isso tem um preço: pela constante movimentação, essas áreas podem desenvolver alguns problemas, como rigidez, dor e inflamação, que podem evoluir e causar doenças.

FUNÇÕES DAS ARTICULAÇÕES:

As articulações, também chamadas de juntas, possuem duas funções principais: manter os ossos juntos e permitir a movimentação do esqueleto. Graças à presença das articulações, temos um corpo estável que consegue, por exemplo, manter a postura ereta. Além de garantir a união do esqueleto, as articulações evitam também o desgaste dos ossos.

CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES:

Existem diferentes formas de classificar uma articulação, sendo a mais comum a classificação que utiliza como critério o material encontrado entre os ossos. De acordo com esse critério, podemos dividi-las em:

Articulação fibrosa: Também chamada de sinartrose ou articulação imóvel, ela possui pequena separação com tecido conjuntivo fibroso entre os ossos. Seu papel principal é proporcionar a absorção de choque.

A articulação fibrosa pode ser classificada em dois tipos: suturas e sindesmoses.

Suturas: são aquelas articulações encontradas nos ossos do crânio.

Sindesmose: é aquela encontrada entre a tíbia e a fíbula.

Articulação cartilaginosa:Também chamada de anfiartrose ou articulação semimóvel, ela apresenta tecido cartilaginoso entre os ossos, que pode ser do tipo hialino ou fibroso. Quando a cartilagem é hialina, a articulação recebe o nome de sincondrose e, quando a cartilagem é fibrosa, recebe a denominação de sínfise. As articulações cartilaginosas são encontradas nos ossos do quadril e entre as vértebras.

Articulação sinovial:  Nessa articulação, também chamada de diartrose ou móvel, observa-se o livre deslizamento entre a superfície de um osso e outro em virtude da presença de um líquido denominado de sinovial. Diferentemente das outras formas de articulação, as peças articuladas unem-se por meio da cápsula articular, onde o líquido está localizado.

Vale salientar que as articulações sinoviais podem ser classificadas de acordo com a capacidade de movimentação que possuem. Se elas se movem em apenas um eixo de rotação, recebem o nome de uniaxiais; se possuem dois eixos, são chamadas de biaxiais; e se possuem três eixos, recebem o nome de poliaxiais.

As articulações sinoviais movem-se de várias maneiras. Entre os movimentos realizados por esse tipo de articulação, podemos citar a flexão, extensão, abdução, adução, rotação, pronação, inversão, refração, elevação e depressão.

PRINCIPAIS CAUSAS DAS DORES NAS ARTICULAÇÕES:

As dores nas articulações podem ser derivadas de uma série de motivos, como doenças ou até lesões. Entre as doenças que podem gerar esse desconforto, está a artrite reumatoide, que causa rigidez, dor, desconforto e inflamação.

Já a osteoartrite diz respeito ao crescimento do chamado “bico de papagaio” e à degeneração da cartilagem das articulações. Muitas vezes, a dor pode vir inclusive de uma lesão provocada por algum tipo de exercício que exigiu muito da articulação e não foi efetuado da maneira correta.

Outras doenças também podem estar por trás da dor nas articulações, como:

  • viroses;
  • gota;
  • caxumba;
  • febre reumática;
  • tendinite;
  • catapora.

DOENÇAS QUE ATINGEM AS ARTICULAÇÕES:

Várias são as doenças que podem atingir as articulações. Entre elas, podemos citar:

Bursite: Inflamação da bolsa sinovial, também chamada de bursa.

Artrite ReumatoideInflamação das articulações e estruturas associadas.

GotaUm tipo de artrite caracterizado pelo depósito de cristais de ácido úrico na articulação.

Febre Reumática: Inflamação dos tecidos sinoviais, tendões e demais tecidos conjuntivos presentes em torno das articulações.

COMO AS ARTICULAÇÕES SE DESGASTAM:

A cartilagem das articulações é constituída por aproximadamente 60% de colágeno tipo II e funciona como um amortecedor que evita o contato e atrito entre os ossos. Por razões como inflamação crônica, fraqueza muscular, envelhecimento natural, exercícios de impacto, sobrepeso ou obesidade, nossas articulações se desgastam, o que pode gerar inflamação e dor. A degeneração ou desgaste da articulação é a artrose, também chamada de osteoartrose.

Com o aumento da expectativa de vida, o número de casos de artrose tem aumentado exponencialmente. Estima-se que cerca da metade da população com idade superior a 50 anos seja acometida por essa degeneração – segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, 85% das pessoas com 75 anos têm evidências radiológicas de degeneração nas articulações e dessas cerca de 30% queixam-se de dores, inchaço e rigidez nas articulações, comprometendo a mobilidade e a qualidade de vida.

Atletas e ex-atletas:

Os atletas ou pessoas muito ativas, devido à força e aos impactos suas articulações são submetidas, estão bastante suscetíveis ao desenvolvimento precoce de artrose. Um estudo avaliou 700 atletas aposentados (com mais de 50 anos), e concluiu que o risco do desenvolvimento de desgaste articular é 85% maior nos atletas, quando comparados àqueles que praticavam pouco ou nenhum esporte.

Pessoas obesas e com sobrepeso:

O excesso de peso (ou musculatura fraca) sobrecarrega as articulações tanto quanto as atividades físicas de alto impacto. Um estudo radiológico em mais de 5.000 mulheres com sobrepeso mostrou um aumento de 80% de chances do desenvolvimento de artrose bilateral no quadril.

Um IMC (Índice de Massa Corporal) de 30-35 kg/m2 propicia quatro vezes mais chances do desenvolvimento de artrose quando se compara a um IMC menor que 25 kg/m2. Acredita-se que cada quilo excedente é capaz de exercer uma pressão extra de 4 Kg nos joelhos. Isso significa que uma pessoa que esteja 10 Kg acima do peso pode estar aplicando uma pressão extra nos joelhos de 40Kg e toda essa sobrecarga sobre os joelhos aumenta as chances do desenvolvimento de artrose.

Idosos:

As propriedades mecânicas da cartilagem articular atingem seu pico por volta dos 30 anos de idade e passam a se deteriorar progressivamente, principalmente na região do joelho e do quadril.

Segundo médicos, praticamente toda pessoa acima de 60 anos de idade tem algum acometimento em juntas que possa ser causado pela artrose. Mas isso não quer dizer que todas as pessoas terão os sintomas atribuíveis à artrose.

DOENÇAS QUE MAIS AFETAM AS ARTICULAÇÕES:

Artrite reumatoide:

A artrite reumatoide é uma doença crônica, ou seja, não há cura. Porém, os sintomas podem ser controlados por meio de tratamento e medicação indicados pelo médico.

Ela também é autoimune, o que significa que o próprio organismo age contra si mesmo por meio do sistema imunológico. O problema costuma se manifestar com maior intensidade nas articulações dos dedos das mãos e nos punhos, cotovelos, ombros, joelhos ou pés.

Os sintomas são: inflamação, dores e rigidez nas articulações, gerando uma incapacidade para as atividades do cotidiano. Eles começam a se manifestar entre os 35 e 55 anos, mas é possível que apareçam em crianças e adolescentes, com a chamada artrite crônica juvenil.

As causas e a origem da artrite reumatoide ainda não são totalmente conhecidas pelos pesquisadores. Contudo, sabe-se que fatores genéticos e hábitos de vida prejudiciais ajudam a aumentar as chances de desenvolvimento dessa condição.

O diagnóstico do quadro envolve exames físicos, laboratoriais e radiológicos, além de uma pesquisa sobre o estilo de vida e o passado do paciente.

Artrose:

Também conhecida como osteoartrose ou osteoartrite, a doença é sinal de que há desgaste nas articulações. É acometida a cartilagem que protege as extremidades dos ossos. Além disso, há o comprometimento de outros componentes, como o líquido sinovial, membrana sinovial e ligamentos. 

Portanto, a pessoa que sofre com a artrose sente dores articulares, inchaço e limitação dos movimentos. Apesar de a doença poder afetar qualquer parte do corpo, é mais comum a região das mãos, joelhos, quadris e coluna. O tratamento não tem como objetivo a cura, mas é capaz de retardar o avanço da doença.

Bursite:

A bursite é uma doença causada pela inflamação da bursa (ou bolsa sinovial), uma estrutura cheia de líquido que fica nos tendões ou entre o tendão e o osso. A função dessas bolsas é absorver e amortecer o impacto causado pelos movimentos corporais, auxiliando no processo de deslizamento dos tecidos.

A bursite pode se manifestar de forma aguda ou crônica, sendo mais comum nas articulações que realizam movimentos repetitivos e posições que geram lesões nas bursas, como ombros, cotovelos, quadril, joelhos e calcanhares. Ela pode ser causada pela repetição dos seguintes atos:

  • apoiar-se nos cotovelos por longos períodos;
  • ficar ajoelhado por muito tempo;
  • permanecer sentado por muitas horas e com a coluna na posição errada.

Além do desgaste excessivo das articulações, esse problema pode aparecer devido à idade, por traumas ortopédicos, processos reumatológicos, diabetes, gota e outras doenças sistêmicas, por exemplo. Os sintomas da bursite são os seguintes:

  • dores e sensibilidade na articulação;
  • calor, vermelhidão e sensação de queimação no local;
  • rigidez e inchaço da bursa etc.

 

Seu diagnóstico é feito por meio de exame físico completo, ultrassom e ressonância magnética, além de uma análise para conhecer o histórico médico e o estilo de vida do paciente. Infelizmente, a radiografia não detecta a doença, mas pode eliminar outros possíveis problemas e, consequentemente, ajudar na descoberta da bursite.

Lúpus:

O lúpus faz parte do grupo de doenças denominadas autoimunes. De causas desconhecidas, essa doença pode causar dores articulares, acompanhadas de inchaços e rigidez muscular. Além disso, outras partes do corpo podem ser afetadas pelo lúpus. Entre elas, a pele, rins, cérebro e outros órgãos.

Tendinite:

A tendinite é uma inflamação dos tendões, estruturas responsáveis pelo ligamento dos músculos e do osso. Ela é causada pelo esforço excessivo ou por algum movimento inadequado ou impróprio, que força os tendões, por exemplo.

A doença pode aparecer em tendões de qualquer parte do corpo. Contudo, ela costuma ser mais comum nos ombros, nos cotovelos, nos punhos e no joelho.

O tratamento envolve o uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios previamente prescritos pelo médico reumatologista. Além disso, são necessárias algumas temporadas de fisioterapia, conforme a gravidade e a situação do quadro.

É muito importante que o paciente não faça esforços físicos e não sobrecarregue a região. O ideal é ficar o máximo possível de repouso e imobilizar a articulação que está lesionada, pois tais cuidados aumentam as chances de cura. Os sintomas de tendinite são os seguintes:

  • dor localizada nos tendões;
  • dificuldade em fazer movimentos com o membro que está afetado;
  • inchaço ou vermelhidão na região;
  • dor em um local pontual, que vai se irradiando ao longo do membro lesionado;
  • fraqueza no braço afetado;
  • fisgadas ou câimbras no ombro.

Existem muitas outras doenças que têm como sintomas as dores nas articulações, a exemplo das que separamos abaixo:

  • gota;
  • hepatite A, B e C;
  • gripe;
  • doença de Lyme;
  • sarampo;
  • caxumba;
  • febre reumática;
  • rubéola;
  • varicela etc.

O médico é o profissional que dará o diagnóstico por meio de exames laboratoriais, radiografias, ressonâncias magnéticas, perguntas e análise do perfil do paciente. Atente aos sinais enviados pelo próprio corpo. Dores recorrentes e que vão ficando mais intensas com o passar do tempo, rigidez e fraqueza são apenas alguns dos sintomas que podem causar dores nas articulações.

Após uma avaliação médica, o paciente pode buscar pelos analgésicos adequados, seguindo as orientações do profissional para o uso. O importante é entender bem o que causa as dores nas articulações, a forma de tratamento e como aliviar os sintomas relacionados ao problema.

Luxações:

Neste caso, as dores articulares provenientes das luxações ocorrem em decorrência de um trauma. A região afetada fica dolorida, dormente e há a sensação de formigamento. É importante procurar ajuda médica assim que possível, pois a luxação pode estar acompanhada de uma fratura, e a região pode inflamar e infeccionar. 

Esperamos que as informações deste artigo tenham lhe ajudado a entender as causas das dores articulares. Vale lembrar, que a ajuda médica é essencial para identificar com precisão a origem dos problemas articulares, orientando o tratamento mais adequado. 

CAUSAS:

Artrite ou artrose:

A osteoartrite (ou artrose) é uma doença crônica que pode ser causada por diferentes fatores, que incluem:

  • alimentação inadequada;
  • desgaste da articulação por envelhecimento natural;
  • excesso de peso;
  • alteração na imunidade devido à predisposição genética;
  • traumatismo;
  • inatividade física.

Dependendo da causa, ela pode apresentar diversos sintomas, como artrite reumatoide, psoriática, reativa, séptica ou gotosa. Para identificá-la corretamente são necessários exames específicos.

Tendinite:

Suas principais causas são sobrecargas provocadas por atividades físicas. Mas, ela também pode ocorrer devido aos seguintes fatores de risco:

  • estresse;
  • doenças autoimunes;
  • falta de alongamento muscular;
  • envelhecimento natural;
  • movimentos repetitivos;
  • postura inadequada.

Reumatismo:

Por se tratar de um grande grupo de enfermidades, o reumatismo é multifatorial, podendo ser provocado por inúmeros fatores e resultar em artroses, gota, entre outras doenças.

Bursite:

A causa mais comum de bursite é a repetição de movimentos em determinadas articulações ou posições que possam causar danos às bursas. Isso pode acontecer nas seguintes situações:

  • Lançar bolas ou levantar algo sobre sua cabeça repetidamente
  • Apoiar-se em seus cotovelos por longos períodos de tempo
  • Ajoelhar-se por períodos longos de tempo
  • Ficar muito tempo sentado, principalmente sobre lugares pouco confortáveis e com superfícies duras
  • Alguns bursas, como no joelho e cotovelo ficam logo abaixo da pele. São esses os locais do corpo com maior risco de traumas que podem ocasionar à bursite.

Além do uso excessivo e crônico das articulações, bursite também pode ser causada por traumas ortopédicos, processos reumatológicos, gota ou por algum tipo de infecção. Algumas vezes, a causa da bursite não pode ser determinada.

Lúpus:

Os gatilhos para desencadear o Lúpus, de acordo com a ciência, são:

  • Luz solar: a exposição à luz do sol, de forma inadequada e em horários inapropriados, pode iniciar ou agravar uma inflamação preexistente a desenvolver lúpus. Além disso, esse tipo de postura também pode provocar câncer de pele.
  • Infecções: ter uma infecção pode iniciar lúpus ou causar uma recaída da doença em algumas pessoas, o que pode gerar um quadro leve ou grave, conforme cada situação.
  • Medicamentos: lúpus também pode estar relacionado ao uso de determinados antibióticos, medicamentos usados para controlar convulsões e também para pressão alta. Informe seu médico se notar qualquer sintoma estranho.

Luxações:

Luxações normalmente resultam quando uma articulação experimenta um impacto inesperado ou desequilibrado. Isso pode acontecer se você cair ou sofrer um impacto violento na área afetada. Depois que uma articulação se desloca, é mais provável que ela se desloque novamente no futuro.

SINTOMAS:

Artrite ou artrose:

Os principais sintomas da osteoartrite envolvem alterações nas articulações, como:

  • diminuição na capacidade de movimentar;
  • dor;
  • inchaço;
  • rigidez matutina;
  • sensação de calor local;
  • vermelhidão da pele ao redor da articulação.

Tendinite:

Um dos sintomas mais comuns é a dor local, que pode se irradiar para a musculatura vizinha ou piorar com os movimentos. Também pode apresentar inchaço, sensação de calor ou vermelhidão.

Reumatismo:

Os próprios pacientes conseguem perceber os sinais mais comuns, relacionados às dores nas articulações e dificuldades em realizar movimentos, com os braços e pernas.

Bursite:

  • Dor nas articulações e sensibilidade ao pressionar a região ao redor da articulação;
  • Rigidez e dor ao mover a articulação afetada;
  • Inchaço, calor ou vermelhidão na articulação, principalmente quando relacionadas a infecção.

Lúpus:

Os sintomas podem também variar de acordo com as partes do seu corpo que forem afetadas pelo lúpus. Os sinais mais comuns são:

  • Fadiga.
  • Febre.
  • Dor nas articulações.
  • Rigidez muscular e inchaços.
  • Rash cutâneo - vermelhidão na face em forma de "borboleta" sobre as bochechas e a ponta do nariz. Afeta cerca de metade das pessoas com lúpus. O rash piora com a luz do sol e também pode ser generalizado.
  • Lesões na pele que surgem ou pioram quando expostas ao sol.
  • Dificuldade para respirar.
  • Dor no peito ao inspirar profundamente.
  • Sensibilidade à luz do sol.
  • Dor de cabeça,confusão mental e perda de memória.
  • Linfonodos aumentados.
  • Queda de cabelo.
  • Feridas na boca.
  • Desconforto geral, ansiedade, mal-estar.

Luxações:

  • Dor local;
  • Deformidade na articulação;
  • Proeminência óssea;
  • Pode haver fratura óssea exposta;
  • Inchaço local;
  • Incapacidade de realizar movimentos.

 

TRATAMENTO:

Artrite ou artrose:

Os tratamentos para a osteoartrite incluem anti-inflamatórios, medicamentos a base de sulfato de glucosamina e condroitina, fisioterapia e, em último caso, a cirurgia. Além disso, há também eficientes tratamentos naturais complementares, como chás de gengibre e açafrão.

O orégano e a pimenta caiena também se apresentam como poderosos anti-inflamatórios, assim como a aplicação de massagens locais com óleo essencial de unha-de-gato ou de lavanda.

Outra opção é o tratamento complementar que visa a saúde integrativa. Ela utiliza terapias para harmonizar corpo, mente e espírito, considerando o paciente em sua totalidade.

Tendinite:

Os tratamentos visam o alívio da dor, com repouso, aplicação de compressas de gelo e medicamentos. Também são indicadas as técnicas de acupuntura e fisioterapia com a utilização de ultrassom, laser e eletromiografia.

As medidas para evitar a reincidência da dor podem ser realizadas pelo próprio paciente por meio de:

  • alongamento muscular;
  • correção postural;
  • fortalecimento dos músculos;
  • ergonomia no trabalho;
  • pausas durante as atividades;
  • respeito ao aviso da dor.

Excepcionalmente, quando os tratamentos conservadores não surtem efeito, pode ser indicada uma cirurgia.

Reumatismo:

O tratamento varia de acordo com a doença identificada e seu estágio de evolução. Entre os medicamentos mais utilizados se encontram a cortisona, os anti-inflamatórios e os moduladores da inflamação remédios que inibem a produção de citocinas inflamatórias substâncias integrantes do processo inflamatório.

Bursite:

O primeiro passo para o tratamento de bursite envolve, basicamente, algumas medidas constantemente sugeridas por médicos, como repouso, aplicação de gelo no local da lesão e o uso de analgésico para a dor. Dependendo do paciente, essas medidas bastam para tratar a bursite. Mas caso elas não sejam suficientes, o médico pode oferecer outras formas de tratamento, como:

  • Medicação. Se a inflamação for causada por uma infecção, o médico irá prescrever o uso de um antibiótico
  • Terapia. Seu médico pode recomendar fisioterapia ou exercícios para fortalecer os músculos na área afetada para aliviar a dor e prevenir a reincidência da bursite
  • Injeções. O seu médico pode realizar uma injeção de corticosteroide na região da bursa afetada para reduzir a inflamação. Este tratamento geralmente traz alívio rápido da dor e, em muitos casos, será suficiente para o tratamento
  • Punção para esvaziamento do conteúdo líquido inflamatório ou traumático
  • Cirurgia. Uma bursa inflamada sem melhora com tratamento conservador pode ser tratada cirurgicamente.

Lúpus:

Embora não haja cura para o lúpus, os tratamentos atuais procuram melhorar a qualidade de vida pelo controle dos sintomas e pela diminuição das crises. Isso começa com modificações no estilo de vida, incluindo dieta e proteção contra o sol. Outras medidas de controle da doença incluem medicamentos, como anti-inflamatórios e esteroides.

Luxações:

O tratamento envolve a recolocação dos fragmentos ósseos no lugar (redução), geralmente por manipulação e imobilização, mas às vezes é necessário realizar cirurgia. Muitas luxações não causam problemas duradouros, mas algumas enfraquecem ou laceram os ligamentos e tendões que estabilizam a articulação.

VITAMINAS QUE AUXILIA NA SAÚDE DAS ARTICULAÇÕES:

As vitaminas e minerais são indispensáveis para o corpo manter-se em plena atividade, realizando diversas reações químicas por todo o organismo, como a constante reconstrução do colágeno desgastado.

A alimentação pode não ser suficiente para fornecer a quantidade ideal de nutrientes que nosso organismo precisa. Por isso, uma forma de ajudar a regeneração do colágeno é fornecer seus precursores por meio de suplementação, para que o organismo produza o que foi desgastado.

Vitamina C:

O ácido ascórbico, mais conhecido como vitamina C, é o principal cofator na transformação dos aminoácidos prolina e lisina em hidroxiprolina e hidroxilisina. Sem essa etapa não há formação de colágeno em nosso corpo. E isso faz da vitamina C uma molécula vital para a saúde dos tecidos conectivos.

Vitamina D3:

Acredita-se que a vitamina D3, além de auxiliar na fixação do cálcio do tecido ósseo, possa também auxiliar na regeneração da cartilagem destruída, inibindo a progressão da artrose. Para a artrite reumatoide, uma pesquisa recente indica que o uso combinado de vitamina D3 com peptídeos de colágeno diminui a produção de substâncias pró-inflamatórias.

Vitamina K:

Bastante promissora no tratamento de artrose, a vitamina K tem sua ação no tecido ósseo já bastante estudada devido à atuação na mineralização óssea, prevenindo a osteoporose. Nas articulações, a vitamina K pode auxiliar através de seu potencial anti-inflamatório.

Manganês:

Também indispensável para a formação do colágeno das articulações, o manganês é indiretamente responsável pela ativação das células da cartilagem (condrócitos), além de atuar no metabolismo ósseo.

Zinco:

Sua presença é indispensável para a formação óssea e síntese de colágeno. A suplementação com zinco resulta em maior síntese de massa óssea e colágeno.

MELHORES SUPLEMENTOS:

Boswellia serrata:

Boswellia serrata é uma planta famosa na medicina Ayurvédica, que se provou uma potente aliada no alívio da dor e recuperação da mobilidade em pessoas com osteoartrite, condição que costuma acometer atletas de esportes como o futebol e o futebol americano.

Curcumina:

Um dos componentes encontrados na Cúrcuma, a Curcumina tem propriedades antiinflamatórias e antioxidantes. Ela possui efeito similar a medicamentos antiinflamatórios não esteróides (AINEs), usados para diminuir inflamação, dor e febre. Quando ingerida por pessoas com dores nas articulações, principalmente nos joelhos, houve significativo alívio de dor e aumento da mobilidade. Alguns atletas a tomam também para combater inflamações musculares.

Óleo de Peixe:

O óleo de peixe tem se provado eficaz no alívio de dores nas articulações causadas por esforço, problema frequente em atletas que repetem os mesmos movimentos por horas. Novos estudos sobre sua eficácia nos esportes têm sido encorajadores, principalmente quando utilizado em altas dosagens.

Além do benefício para atletas, o óleo de peixe pode beneficiar pessoas com artrite reumatóide através de suas propriedades imunossupressoras.

Vitamina C:

A vitamina C é necessária para a formação de colágeno, um dos principais componentes das cartilagens.

Um importante benefício da vitamina C  é a prevenção da Síndrome Complexa de Dor Regional, problema que envolve articulações inchadas e mudanças na qualidade da pele e cabelo. Esta síndrome pode ser causada por cirurgias ortopédicas ou lesões de articulação.

Cissus quadrangularis:

Também amplamente utilizado na medicina ayurvédica, o Cissus quadrangularis ainda é pouco explorado na medicina ocidental, mas nos estudos já realizados os resultados são animadores. A substância já é popular entre atletas, principalmente os de artes marciais, para aliviar dores nas articulações.

Colágeno, Glucosamina e Condroitina:

Estas 3 substâncias são componentes da cartilagem, e algumas evidências sugerem que sua ingestão pode prevenir a perda do tecido, um problema frequente entre atletas de alto impacto.

PREVENÇÃO:

A idade indicada para começar a dar atenção às articulações varia. A partir do momento em que o paciente apresentar sinais radiológicos de desgaste articular, podendo ser aos 20 anos, em uma osteoartrite pós-traumática, ou aos 60 por uma osteoartrite primária (causada pelo envelhecimento). 

 

TRATAMENTO RECOMENDADO:

Consulte um especialista:

A dor nas articulações pode começar com um leve desconforto e ir se desenvolvendo até chegar a uma intensidade maior. Além disso, ela pode ser sintoma de diversas doenças. Portanto, é muito importante se consultar com um médico, para que ele identifique e avalie o quadro clínico do paciente.

Dessa maneira, o primeiro passo  e o mais importante para tratar as dores nas articulações é consultar um médico especialista (reumatologista). Ele vai detectar a causa do desgaste no seu corpo e receitar o medicamento mais adequado para seus sintomas, sejam eles dores, desconfortos e/ou inflamações.

Use os medicamentos prescritos pelo médico:

O tratamento para essa doença vai variar de acordo com o quadro do paciente e o diagnóstico dado pelo médico. Por isso, somente um especialista conseguirá identificar seu problema e prescrever o remédio mais adequado para seu caso, indicando a dosagem correta e o período de duração do tratamento.

Existe uma grande variedade de medicamentos para aliviar e tratar as dores nas articulações. Os mais comuns são:

  • AAS;
  • Advil;
  • Anador;
  • Atroveran;
  • Ciprofloxacino;
  • Dipirona;
  • Dorflex;
  • Mioflex;
  • Nimesulida;
  • Miosan;
  • Paracetamol;
  • Tylenol.

 

É importante mencionar que as dores podem ser causadas por inúmeros problemas. Por isso, não se automedique. Antes de tudo, procure a ajuda de um médico e siga as instruções contidas na bula. Caso contrário, o remédio pode até gerar efeitos contrários ao desejado e causar contratempos.

Cuide de sua alimentação:

Para evitar o consumo excessivo de remédios, existem algumas medidas que podem ajudar a evitar as dores nas articulações. Elas se referem principalmente ao hábito de manter uma alimentação saudável e balanceada.

Existem alimentos que têm propriedades anti-inflamatórias e podem contribuir bastante no combate de dores crônicas e sintomas relacionados aos problemas com as cartilagens das articulações. Tais itens também ajudam a melhorar a imunidade do corpo.

 

Veja quais são os alimentos que ajudam a conter e a diminuir esses sintomas tão incômodos:

  • alimentos ricos em vitamina E — nozes, gengibre, sementes, vegetais e folhas verdes;
  • azeite de oliva extravirgem;
  • iogurtes e leites fermentados — por serem ricos em probióticos;
  • suco de limão e laranja — por conterem oxidantes conhecidos como bioflavonoides do citrino, que têm efeitos anti-inflamatórios;
  • salmão, sardinha, atum, linhaça e chia — são ricos em gordura ômega-3;
  • cúrcuma ou açafrão — trata-se de um poderoso antioxidante.

 

Mas atenção: assim como existem alimentos que ajudam no tratamento das dores nas articulações, também há aqueles que devem ser evitados para que os sintomas não piorem. Se você sofre desse mal, portanto, evite consumir:

  • açúcar e alimentos lácteos — contêm citoquinas, que são agentes inflamatórios;
  • café — a cafeína desencadeia processos inflamatórios pelo corpo. Opte pelo café descafeinado;
  • carne vermelha e processada — contém substâncias conhecidas como purinas e nitritos, que agravam as dores;
  • trigo e farinhas refinadas — têm um elevado índice glicêmico, o que piora as dores;
  • tomate, berinjela e pimenta — trazem solanina, que gera inflamação.

Busque minimizar as dores durante as crises:

Durante as crises de dor, pode-se recorrer a alternativas que vão aliviar momentaneamente o desconforto. Compressas de gelo aplicadas localmente, compressas de água quente, banho quente (hidroterapia) e massagens locais, com o auxílio de óleos hidratantes, são alguns dos exemplos.

Procure por tratamentos fisioterápicos:

A fisioterapia é uma ciência que desempenha um papel fundamental no tratamento das doenças relacionadas às articulações. Ela pode ser indicada todos os dias ou, pelo menos, durante três vezes por semana, conforme as queixas do paciente e seu quadro clínico.

O fisioterapeuta trabalha fortalecendo os ligamentos e tendões, aliviando, assim, as dores nas articulações. As técnicas e os tratamentos utilizados por esse profissional são diversos, incluindo:

Crioterapia:  Uso de compressas de gelo ou de calor;

Eletroterapia:  Aplicação de aparelhos como ultrasons, magnetoterapia, iontoforese etc.;

Terapia manual: Alívio da dor com massagens e mobilizações;

Cinesioterapia: Fortalecimento muscular por meio de hidroterapia e exercícios de resistência feitos com pesos pequenos.

Mude seus hábitos:

As pessoas que ficam sentadas durante muito tempo têm mais chances de sofrerem com dores nas articulações do corpo. Por isso, é fundamental não ficar o dia todo sentado. Faça alongamentos e levante-se com frequência. Sua coluna vai agradecer.

Se o paciente fuma, deve parar com o tabagismo de uma vez por todas. A fumaça do cigarro ajuda a diminuir a consistência da massa óssea e, consequentemente, enfraquece as articulações. Além disso, ele contém substâncias que desencadeiam processos inflamatórios pelo corpo. Portanto, o cigarro precisa ser largado logo!

PERGUNTAS FREQUENTES:

Quais os sintomas de inflamação nas articulações?

O sintoma mais comum de inflamação da articulação é a dor. As articulações inflamadas também podem ficar quentes e inchadas e, menos frequentemente, a pele pode ficar avermelhada.

Quais são as doenças das articulações?

Doenças articulares podem ser inflamatórias (artrite reumatoide AR], espondiloartropatias, artrite induzida por cristais) ou relativamente menos inflamatórias (osteoartrite, artropatia neurogênica).

O que pode ser dor no osso do braço?

A dor no braço pode também ser ocasionada por uma tendinite. Essa é uma inflamação da estrutura fibrosa que une o músculo ao osso. Ela pode acontecer em diversas partes do corpo, como ombros, punhos, dedos, tornozelos e, inclusive, os braços.

O que piora a artrose?

A doença consiste na inflamação das juntas (artrite) e no desgaste das articulações e alterações ósseas (artrose). As causas desses problemas estão muito ligados a fatores genéticos, mas também a movimentos repetitivos, exercícios físicos mal feitos, obesidade e ao envelhecimento do corpo.

Quais são os tipos de luxações?

Existem dois tipos de luxações quanto ao grau de deslocamento. Na denominada luxação completa, os ossos formadores da articulação ficam totalmente separados, enquanto que na chamada luxação incompleta ou subluxação, a separação dos segmentos ósseos é pequena.

Como se pega a tendinite?

Tendinite é a inflamação de um tendão que surge usualmente através do excesso de repetições de um mesmo movimento (LER - Lesão por Esforço Repetitivo). Não é adquirida necessariamente no trabalho, mas com a difusão da inflamação, tornou-se uma importante doença ocupacional.

Em que situações ocorre a bursite?

Bursite é a inflamação da bursa, pequena bolsa contendo líquido que envolve as articulações e funciona como amortecedor entre ossos, tendões e tecidos musculares. A bursite ocorre principalmente nos ombros, cotovelos e joelhos.

Quais os primeiros sintomas da artrite reumatóide?

Dor, inchaço e aumento da temperatura nas articulações; rigidez matinal, que pode durar horas, caroços firmes de tecido sob a pele em seus braços (nódulos reumatoides), Fadiga, febre e perda de peso.

O que faz piorar a artrite reumatóide?

O excesso de peso sobrecarrega as articulações já inflamadas e faz com que a dor piore. Além disso, a gordura libera hormônios que pioram a inflamação da artrite reumatoide, e os tratamentos não funcionam tão bem em quem está acima do peso.

Qual o tipo de artrite mais grave?

A artrite reumatóide é um tipo de artrite mais severa mas menos comum. O sistema imunitário ataca e destrói a articulação, desfazendo o osso e a cartilagem. Isto causa dor e inchaço, e pode dificultar os movimentos.

Quem tem problema de artrose pode fazer caminhada?

Sim, os exercícios físicos mais aconselhados para quem sofre de artrose de joelho são caminhada leve, com tênis apropriado para corrida, andar de bicicleta, hidroterapia ou hidroginástica mas o médico ou o fisioterapeuta poderão indicar o melhor exercício no seu caso específico.

Qual o melhor suplemento para as articulações?

Boswellia serrata,curcumina,óleo de peixe,vitamina C, cissus quadrangularis , colágeno, glucosamina e condroitina.