Memória e Concentração

Encontre aqui remédios naturais para melhorar a memória e a concentração. Pessoas que enfrentam o problema da falta de memória e concentração sabem o quanto é difícil encontrar tratamento com fórmula natural para a melhora desses sintomas. Esquecer-se de cumprir tarefas cotidianas, a dificuldade de concentração no trabalho ou nos estudos, perder prazos e compromissos importantes e a desorganização da vida no geral são geralmente consequências atribuídas à falta de alguns nutrientes em nosso organismo, e sua simples suplementação já consegue reverter esses quadros e agir de maneira eficaz na retenção da memória e no estabelecimento de foco nas tarefas do dia a dia.

Itens 1 para 15 de 16 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

Itens 1 para 15 de 16 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

O cérebro humano é um dos órgãos mais complexos que existe. Ele é composto de milhões de neurônios capazes de executar todas as funções que necessitamos. Realizar da mais simples tarefa às mais complexas como criar, inventar, processar informações e outras.

Para todas essas atividades é preciso uma boa memória e concentração. Infelizmente um número considerável de pessoas com idade variada sofrem com algum tipo problema relacionado ao assunto.

Quando existe pouca concentração, a memória é inevitavelmente afetada. Falhas da mente podem acarretar muitos desafios, e a falta de concentração pode atrapalhar atividades importantes como o trabalho, por isso é necessário cuidar e proteger nossa mente.

COMO AJUDAR A MEMÓRIA E A CONCENTRAÇÃO:

A maior parte dos problemas de concentração e memória são reversíveis e podem ser prevenidos por adquirir alguns hábitos de vida como treino de mente, relaxamento, dormir bem, manter uma boa alimentação com os nutrientes e vitaminas necessários para o cérebro realizar suas funções. Além de uma rotina com atividades físicas e o trabalho na prevenção e controle do estresse.

Praticar alguns exercícios para memória também ajuda. Crianças que sofrem com algum problema de concentração como o Transtorno de défice de atenção, conseguem controlar a doença por meio da orientação de pais, profissionais (terapeuta ou psicólogo) e professores através de técnicas específicas.

FUNCIONAMENTO E DIFERENÇA ENTRE MEMÓRIA E CONCENTRAÇÃO:

Saber a diferença entre memória e concentração é um dos passos para compreender alguns distúrbios relacionados ao córtex cerebral.

Primeira fase:

Durante a primeira fase; a codificação, o cérebro processa as informações que considera importantes, como datas, cifras, cores, objetos, odores e outros.

Durante esta etapa de codificação de informações o cérebro guarda tudo que considera interessante se lembrar em uma ocasião posterior. Esse processo acontece toda vez que é apresentada uma nova informação ao sistema.

Os sentidos da visão, da audição, olfato e tato enviam as novas informações para o cérebro. Por sua vez, o cérebro usa estímulos químicos que são codificadas e transmitidas em forma de mensagem para os neurônios.

Segunda etapa:

Na segunda etapa, ou estágio do procedimento de gravação de memórias, o córtex realiza o armazenamento de todas as informações codificadas. Os neurônios captam os estímulos e armazenam as imagens, áudios, odores e outras informações consideradas relevantes para serem usados sempre que for necessário.

Terceiro estágio:

No terceiro estágio acontece o acesso ou recuperação de todos os dados já convertidas em memórias. Todas as informações que foram codificadas e armazenadas ficam a disposição para a recuperação.

Sempre que a situação exigir alguma relembrar ou se concentrar o cérebro ativa a busca dos “arquivos” onde as lembranças de como realizar tarefas estão armazenadas, recuperando-os.

Diferente do que alguns imaginam o cérebro não usa apenas um lugar para armazenar informações. As memórias referentes ao que vemos, ouvimos e falamos, são distribuídos e armazenados em diferentes partes por todo córtex cerebral.

Devido a essa dispersão de dados uma pessoa que sofreu uma lesão em um determinado local do cérebro e chega perder uma parte da memória e concentração ainda é capaz de recordar, realizar atividades e aprender coisas novas.

As memórias são arquivadas ou armazenadas pela extensão do córtex de duas formas: na memória curta, onde as lembranças são armazenadas no lóbulo pré-frontal, localizado na parte da frente do cérebro. E na memória longa, onde as lembranças são guardadas no hipocampo, que são áreas mais profundas do córtex cerebral.

A concentração é a capacidade de manter o foco na atividade que será desempenhada. Em outras palavras, é o ato de prender toda atenção para uma situação, ideia ou tarefa que está sendo realizada sem permitir que situações externas interfiram na realização da atividade.

COMO AUMENTAR A MEMÓRIA E A CONCENTRAÇÃO:

A maioria das pessoas deseja melhorar sua memória e sua capacidade de concentração. À medida que ficamos mais velhos, o cérebro frequentemente se atrasa e lembrar as coisas já não é tão fácil quanto costumava ser. Se você ainda é estudante, concentrar-se em seu trabalho, memorizar fatos e números é tipicamente essencial para as boas notas. Dado que existe uma correlação entre o corpo e a mente, se você cuida do seu coração e tem um corpo saudável, pode manter o cérebro saudável.

Passos a seguir:

Exercite seu corpo. O exercício regular envia mais oxigênio ao cérebro e melhora a capacidade do cérebro para funcionar bem. Também o mantém mais alerta.

Durma bem durante a noite. Segundo os Centros para o Controle de Doenças e Prevenção, os adultos precisam de uma média de 7-9 horas de sono por noite. Dormir o suficiente ajuda a manter-se são e alerta, e melhora sua capacidade de concentração. É também uma oportunidade para que o cérebro "construa" memórias, enviando determinada informação para a área do cérebro que armazena as lembranças de longo prazo.

Exercite sua mente. Faça palavras cruzadas, leia e faça um curso universitário ou de educação de adultos. Faça outras coisas que façam o cérebro trabalhar, tais como escrever ou escovar os dentes com sua mão não dominante.

Evite fumar, o que dificulta que o oxigênio chegue ao cérebro, e peça que seu médico controle sua pressão arterial e os níveis de colesterol. Mantenha estes em um nível normal e saudável, de acordo com o sugerido pelo seu médico, através da medicação e/ou modificações na alimentação, como a redução da ingestão de sal e comer menos gorduras saturadas.

Coma uma alimentação bem balançada. Acredita-se que certos alimentos aumentam a memória e a concentração, como por exemplo, 1 xícara de verduras de folha verde por dia, 3 porções de peixe por semana e 1 xícara de frutas carnosas por dia. Beber café pode ajudar a aumentar a atividade do cérebro, e a manter-se mais alerta e concentrado.

TIPOS DE MEMÓRIAS:

Memória de curto prazo:

Este tipo de memória é a que retém a informação por menos tempo, até que ela seja esquecida ou guardada. Pode ser categorizada em:

Memória imediata:Retém a informação logo que é recebida. Um exemplo é quando somos apresentados ao nome de uma pessoa que acabamos de conhecer.

Memória de trabalho:Embora muitos pesquisadores a identifiquem como sinônimo de “memória de curta duração”, este conceito é muito simplista. A memória de trabalho é um sistema de multicomponentes, com capacidade limitada, relacionada à manutenção temporária e processamento da informação durante a realização de tarefas diversas.

Quer um exemplo prático de memória de trabalho?  Nós a utilizamos em cálculos mentais, por exemplo, quando executemos um conjunto de operações mentais simultaneamente. Ao fazer a multiplicação 73×73, para que possamos chegar ao resultado correto, devemos realizar várias manipulações com os números em ordem e ao mesmo tempo armazenar resultados parciais.

 

Memória de longo prazo:

A memória de longo prazo é a que retêm recordações de episódios e fatos da nossa vida. São elas:

Declarativa : São as lembranças que fazem parte dos fatos que você consegue contar. As perdas de memórias declarativas são comuns durante o envelhecimento e podem estar relacionadas ao fato de dar menos atenção aos fatos corriqueiros. Ao mesmo tempo, podem estar associadas a doenças como estresse crônico, depressão ou mesmo as temidas demências, como o Mal de Alzheimer.

Não-declarativas : São memórias que não podem ser contadas ou ensinadas oralmente. Um bom exemplo disso é aprender a dirigir. Apesar da teoria, você só vai aprender se experimentar até que consiga realizar a atividade.

Semântica: Envolve os conhecimentos organizadores do mundo, por exemplo, lembramo-nos do dia que o Brasil foi descoberto e quem o descobriu.

Episódica: É a memória autobiográfica e envolve os acontecimentos da vida de uma pessoa, por exemplo, lembrar da sua formatura, do dia do casamento, da entrevista de emprego.

ALIMENTOS QUE MELHORAM A MEMÓRIA:

Sálvia (chá ou salada): Aumenta o poder de concentração em até três horas. Ingerir meia hora antes dos estudos.

Cafeína: Combate a fadiga mental e ativa o sistema de alerta. Consumir café e chá preto e verde. O chocolate também contém cafeína, além de melhorar o estresse, porque libera endorfina. A indicação é o mais amargo. O excesso de ambos, entretanto, é prejudicial.

Ômega-3: Favorece a comunicação entre os neurônios e, assim, melhora a concentração, a memória e o aprendizado em geral. Pode ser encontrado em peixes de água salgada como sardinha, arenque e cavala, além das sementes.

Carboidratos: Cereais integrais evitam a sonolência depois do almoço e deixam o estudante mais alerta, isso porque as fibras presentes nos carboidratos integrais ajudam a liberar glicose no organismo aos poucos. A falta de carboidratos prejudica a memorização, a concentração e o aprendizado. A indicação é consumir arroz, pão e macarrão integral, além de aveia.

Vitaminas do complexo B: Ajudam na energia, melhoram a memória e auxiliam na comunicação dos neurônios e no desenvolvimento deles. Está presente principalmente em proteínas animais (carne vermelha, aves e ovos) em leguminosas como feijão, lentilha e grão de bico, e nas sementes, como nozes, castanhas e amêndoas.

Açafrão: Inibe a morte de neurônios – no máximo 1 colher de chá por dia (Pode ser usado no arroz).

Ferro: Forma a hemoglobina, que oxigena o sangue e o cérebro – fortalecendo a parte metabólica e energética um adolescente com anemia tem fraqueza, indisposição, falta de energia e, inclusive, perda de concentração e de aprendizagem.consumir gema do ovo, feijão, sardinha, carnes escuras do frango e carnes vermelhas, principalmente as vísceras (como fígado).

Colina: Aminoácido importante para as células nervosas que ajuda, portanto, a memória e a cognição. Presente na gema do ovo e na soja.

Nitratos: Alimentos ricos em nitratos aumentam a irrigação do sangue no cérebro e são recomendados para quem desenvolve trabalhos intelectuais. A indicação é consumir beterraba, repolho, espinafre, nabo e aipo.

CAUSAS DE PERDA DE MEMORIA:

Alzheimer: A doença de Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro que acontece em idosos, prejudica a memória e, à medida que progride, interfere na capacidade de raciocínio, compreensão e controle do comportamento. Também existem outros tipos de demência que podem causar alterações da memória, como a demência vascular, demência do Parkinson ou demência por corpúsculo de Lewy, por exemplo, que devem ser diagnosticadas pelo médico.                                                                                                                                          

Como tratar: após confirmada a doença, o neurologista ou geriatra pode administrar remédios anticolinesterásicos, além de indicar atividades como terapia ocupacional e fisioterapia, para que a pessoa consiga manter suas funções o maior tempo possível.

Dormir menos de seis horas: A alteração do ciclo do sono pode prejudicar a memória. A falta de descanso diário dificulta a manutenção da atenção e do foco, além de prejudicar o raciocínio.                                                                                                                                              

Como tratar: o sono de qualidade pode ser adquirido com hábitos regulares, como adotar uma rotina para se deitar e levantar, evitar consumo de café após as 17h e o uso de celular ou televisão na cama. Casos mais graves podem ser tratados com medicamentos ansiolíticos, orientados por neurologista.

Hipotireoidismo: O hipotireoidismo é uma importante causa de perda da memória. Quando não tratado adequadamente, causa lentidão do metabolismo e prejudica o funcionamento cerebral. Geralmente, a perda de memória pelo hipotireoidismo é acompanhada de outros sintomas, como sono excessivo, pele seca, unhas e cabelos quebradiços, depressão, dificuldades de concentração e cansaço intenso.                                                                           

Como tratar: o tratamento é orientado pelo clínico geral ou endocrinologista.

Falta de atenção: A simples falta de atenção em alguma atividade ou situação faz com que se esqueça muito mais rápido a informação que deveria ter sido armazenada. Portanto, quando se está ou se é muito distraído, é mais fácil esquecer de detalhes como: um endereço, número de telefone ou onde guardou as chaves, por exemplo, não sendo necessariamente um problema de saúde.                                                                                                                             

Como tratar: a memória e a concentração podem ser treinadas com exercícios e atividades que ativam o cérebro, como a leitura de um livro, fazer um curso novo ou, simplesmente, um jogo de palavras cruzadas. A meditação também é um exercício que estimula e facilita a manutenção do foco.

Estresse e ansiedade: A ansiedade é a principal causa de perda da memória em jovens. Momentos de estresse causam a ativação de muitos neurônios e regiões do cérebro, o que dificulta a atividade cerebral, mesmo que para desempenhar uma tarefa simples, como lembrar-se de algo. Por isso, é comum acontecer perda de memória repentina ou um lapso em situações como uma apresentação oral, uma prova ou após uma acontecimento estressante.

Como tratar: o tratamento da ansiedade pode ser feito com atividades relaxantes, como meditação, ioga, prática de exercícios físicos ou sessões de psicoterapia. Para casos de ansiedade intensa e frequente, pode ser necessário o uso de remédios, como ansiolíticos, prescritos por neurologista ou psiquiatra.

Uso de remédios para ansiedade: Alguns medicamentos podem provocar efeito de confusão mental e prejudicar a memória, sintomas mais comuns entre as pessoas que usam sedativos frequentemente. Isso também pode ser efeito colateral de remédios anticonvulsivantes, neurolépticos e alguns remédios para labirintite. Esses efeitos variam de pessoa para pessoa, portanto é sempre importante relatar ao médico as medicações usadas, caso haja suspeita de alteração da memória.                                                                                                                          

Como tratar: a orientação é conversar com o médico para a troca ou suspensão dos possíveis medicamentos associados à perda de memória.

Depressão: A depressão e outras doenças psiquiátricas como síndrome do pânico, ansiedade generalizada e transtorno bipolar podem causar déficit de atenção e afetar o funcionamento dos neurotransmissores cerebrais, sendo uma importante causa para a alteração da memória.   

Como tratar: o tratamento é feito com antidepressivos ou medicamentos orientados pelo psiquiatra. A psicoterapia também é importante para auxiliar o paciente.

Falta de vitamina B12: A deficiência de vitamina B12 acontece geralmente em veganos sem acompanhamento nutricional, pessoas com desnutrição, alcoólatras ou pessoas que tenham alterações na capacidade de absorção do estômago, uma vez que a vitamina é adquirida através da alimentação equilibrada e, preferencialmente, com a ingestão de carne. A falta do nutriente altera o funcionamento cerebral e prejudica a memória e o raciocínio.                

Como tratar: a reposição dessa vitamina é feita com orientações para alimentação equilibrada, suplementos nutricionais ou, em caso de má absorção pelo estômago, com injeções.

Uso de drogas: O álcool em excesso e o uso de drogas ilícitas, além de interferirem no nível de consciência, têm efeito tóxico sobre os neurônios, o que pode prejudicar as funções do cérebro e a memória.                                                                                                                           

Como tratar: é importante abandonar o uso de drogas ilícitas e consumir álcool com moderação. Caso seja uma tarefa difícil, existem tratamentos para a dependência química. A orientação pode ser obtida em posto de saúde.

Confusão mental: A confusão mental leva à alteração do raciocínio e memória, e é mais comum em idosos ou em pessoas em situações de internação hospitalar, após cirurgias, com infecções graves ou com doenças como insuficiência cardíaca, insuficiência renal ou traumatismo cerebral, por exemplo.                                                                                                

Como tratar: o tratamento é feito de acordo com a causa, e a melhora do quadro clínico da pessoa pode ser suficiente para recuperar a capacidade de raciocínio e memória.

VITAMINAS QUE AUXILIA NO BOM FUNCIONAMENTO DO CÉREBRO:

Vitamina D: A vitamina D é conhecida como a vitamina ” do sol”. É um nutriente essencialmente solúvel em gordura. Isso ajuda a manter os ossos saudáveis e fortes, ajuda o crescimento celular e beneficia a função imunológica. Nosso corpo absorve vitamina D principalmente através da exposição ao sol, embora os suplementos dietéticos e certos alimentos também sejam fontes do nutriente.

A vitamina D é vital para manter nossa saúde mental. Uma deficiência nessa vitamina pode contribuir para a chamada depressão de inverno, uma queda no humor durante os meses de inverno.

A deficiência de vitamina D tem sido associada à depressão e outras doenças mentais, por isso é correto dizer que é muito importante assegurarmos a quantidade suficiente para o bom funcionamento do nosso organismo. Garantindo os níveis adequados de Vitamina D, também estamos cuidando da mente.

Todos sabemos que a melhor fonte de vitamina D é o sol. Infelizmente, nem sempre o astro rei está presente, especialmente durante os meses de inverno. Se um indivíduo não é capaz de absorver os raios do sol da maneira natural, é importante incluir a Vitamina D como um suplemento em sua dieta.

É possível comprar suplementos de vitamina D em lojas de produtos naturais e farmácias. Muitos pães, cereais e leite são agora fortificados com vitamina D para garantir que a nutrição adequada e eficiente.

Selênio: O selênio não só é ótimo para o sistema imunológico , é seguramente um dos antioxidantes mais importantes, mas também atua contra a inflamação e favorece o suporte para uma boa função cognitiva.

As castanhas existentes no Brasil, em especial a Castanha do Pará, têm a maior concentração de selênio do que qualquer outra fonte de alimento. Uma castanha do Pará possui entre 68-91 mcg de selênio por castanha. Isso significa que um pessoa só precisa ingerir uma ou duas castanhas do Pará para alcançar seus requisitos diários de selênio de 200 mg por dia. Mais de 400 mg é considerado perigoso, pois o selênio é tóxico em doses mais elevadas.

Estudos têm demonstrado que baixos níveis de selênio, particularmente em jovens, colocam aumentam o risco de depressão. Níveis de selênio muito altos também renderam resultados negativos. Em outro estudo, mulheres grávidas que tinham selênio suficiente em sua dieta estavam em menor risco de desenvolver depressão pós-parto.

Açafrão e DHA: Pesquisas recentes revelaram que comer açafrão aumenta a biodisponibilidade do DHA (esse é o suplemento que você vê nas prateleiras das farmácias e lojas de suplementos). DHA é uma grande gordura estrutural encontrada no cérebro que é crucial para seu funcionamento. Isso é certo: a açafrão faz seu cérebro funcionar melhor. Imagine o que esses gênios poderiam ter feito se tivessem incluído a açafrão em sua dieta!

O açafrão foi considerado um tratamento eficaz para depressão, ansiedade, mudanças de humor e TDAH. Os efeitos do consumo de açafrão já foram comparados com os do antidepressivo Prozac. Ele pode ser comprado na forma de raiz, como um pó para usar em temperos, curry ou sopas, ou como um chá – então não há desculpa para não ingerir o suficiente!

Vitaminas do Complexo B: O complexo B é formado por um grupo de 8 vitaminas às vezes chamadas de “vitaminas anti-estresse“, uma vez que são essenciais para combater os efeitos do estresse. Elas são usadas para criar neurotransmissores bem-intencionados responsáveis por manter um humor positivo.

Todas as vitaminas do complexo B: B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), B5 (ácido pantotônico), B6 (piridonxina), B7 (biotina) e B9 (folato) são essenciais para extrair energia de alimentos, construção moléculas vitais e regulação do metabolismo de neurotransmissores como a serotonina. Todos foram encontrados para aliviar os sintomas de depressão, estresse e declínio mental relacionado à idade.

A Niacina, em particular, encontrou efeitos positivos quando administrada em doses controladas a pacientes de longa duração de depressão e esquizofrenia.

Muitos vegetais, como espinafre, brócolis, nabos, cenoura e beterraba são ricos em vitaminas B. A única exceção é o B-12, que só pode ser encontrado em produtos de origem animal, como peixe, carne, leite e ovos. Se você é vegano, considere tomar suplementos de vitamina B-12.

A Vitamina B6: A serotonina é o principal químico cerebral responsável por fazer com uma pessoa se sinta feliz, relaxada e confiante. Ela também desempenha um papel importante no sono, no desejo sexual e na saúde digestiva. A teoria mais prevalente da depressão é que ela é causada pela falta de serotonina.

É por isso que os antidepressivos mais comumente prescritos são inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) que funcionam aumentando os níveis de serotonina no cérebro. Normalmente, a serotonina é criada no cérebro e no corpo a partir do triptofano, um aminoácido comumente encontrado em carne, aves, peixe e produtos lácteos.

O triptofano fornece os blocos de construção básicos utilizados para sintetizar a serotonina, mas certos co-fatores – vitamina B6, ácido fólico, vitamina C, ferro (fe), magnésio (mg), cálcio (ca) e zinco (zn) – precisam estar presentes para que a reação completa ocorra.

Magnésio: O magnésio é importante para muitos aspectos diferentes da nossa saúde. Ele é responsável por ativar mais de 300 reações enzimáticas diferentes do nosso corpo. É crucial para transmissão nervosa, contração muscular, coagulação sanguínea, produção de energia, metabolismo de nutrientes e formação de osso e células.

O estresse, por exemplo, pode ser causado por uma deficiência de magnésio. A falta de magnésio tende a ampliar a reação do estresse, agravando o problema. Em estudos, adrenalina e cortisol, subprodutos da reação “luta ou fuga” associada ao estresse e à ansiedade, foram associados à diminuição do magnésio.

Estudos realizados em países ocidentais, como os EUA, França e Canadá, descobriram que pelo menos 50% da população são deficientes em magnésio, que podem ser encontrados em quantidades adequadas em espinafre, couve, acelga, sementes de abóbora, iogurte e amêndoa. O valor diário recomendado é de 400 a 420 miligramas.

Cúrcuma: A curcumina, um dos inúmeros ingredientes ativos do açafrão, possui potentes habilidades anti-inflamatórias. Ela recebeu atenção substancial na comunidade médica por suas propriedades benéficas. Foi comparado com alguns dos medicamentos farmacêuticos mais eficazes para a inflamação.

O açafrão tem uma série de benefícios nutricionais e de saúde. Contém compostos bioativos com propriedades medicinais poderosas, bem como cúrcuma um composto anti-inflamatório natural. Na medicina antiga, o açafrão foi utilizado para aumentar a concentração e melhorar a retenção de memória, e seus benefícios na potencialização das funções cerebrais são continuamente reconhecidos na ciência moderna.

Muitos distúrbios cerebrais, incluindo a doença de Alzheimer, estão ligados a um nível reduzido de um hormônio cerebral chamado Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro, ou BDNF. Simplificando, a curcumina na cúrcuma aumenta os níveis de BDNF no cérebro, atrasando e às vezes até reverter os sintomas desses distúrbios cerebrais.

TRATAMENTO PARA PERDA DE MEMÓRIA E CONCENTRAÇÃO:

O tratamento para perda e dificuldade de concentração se dá com base na causa do problema. Remédios podem ser usados quando necessário e prescritos por um neurologista ou psiquiatra. É necessária uma avaliação médica para realizar tratamento medicinal para perda de memória e concentração em casos relacionados a depressão, hipotireoidismo, insônia e Alzheimer.

Quando a amnésia e a falta de concentração estão relacionados ao uso de drogas, excesso de bebidas alcoólicas é necessário descontinuar o uso das drogas, a moderação no consumo do álcool e a prática de atividades físicas regulares para ativar a memória e melhorar a concentração.

Outro tratamento que pode ser recomendo por um médico especialista são sessões de psicoterapia para casos como depressão, ansiedade, transtornos de défice de atenção e síndrome de Burnout. Em todas as citadas ocorrências é necessária uma avaliação médica para diagnosticar a causa exata e receber a indicação do correta do tratamento.

DHAE NO AUXILIO DA MEMÓRIA:

Novos estudos estão apontando para uma nova maneira de proteger a mente envelhecida: a suplementação com DHEA.

Memória e Cognição: As mulheres na pós-menopausa que tomam 50mg por dia de DHEA podem aumentar as tarefas de reconhecimento da memória e melhorar uma variedade de habilidades cognitivas – especialmente aquelas relacionadas à percepção e ao julgamento.

Em um estudo com mulheres idosas com comprometimento cognitivo leve a moderado (provável precursor da doença de Alzheimer), a ingestão de 25 mg por dia de DHEA aumentou os escores cognitivos e evitou a perda de habilidades necessárias para as atividades diárias, além de melhorar os resultados dos testes verbais.

Doses maiores parecem ter efeitos mais potentes. Entre homens jovens saudáveis, 300 mg por dia de DHEA durante sete dias melhoraram o humor e a memória, baixaram os níveis de cortisol à noite e provocaram alterações nos impulsos nervosos em regiões cerebrais relacionadas com a memória (Esta dose é experimental e não é recomendada para suplementação de rotina).

Em um estudo de acompanhamento, homens jovens saudáveis ​​que tomaram uma dose única de 400 mg de DHEA experimentaram mudanças de atividade no cérebro que foram associadas com uma redução nas emoções negativas (tristeza, raiva, etc.), bem como a redução da memória de eventos emocionalmente perturbadores, quando comparados aos pacientes que receberam placebo (doses para reabastecer DHEA para níveis fisiológicos juvenis normalmente requerem apenas 15 mg a 25 mg por dia).

Uma ressonância magnética especializada revelou que o DHEA reduzia a atividade na região da amígdala dominada pela agressividade do cérebro e aumentava a conectividade entre a amígdala e o hipocampo. Essas são mudanças que seriam esperadas para produzir pensamentos racionais menos reativos emocionalmente e mais positivos.

Curiosamente, o outro hormônio esteroide comum, induzido pelo estresse, o cortisol, tem efeitos diretamente opostos, contribuindo, quando alto, para depressão e ansiedade. Isso faz do DHEA um contrapeso atraente às elevações de cortisol induzidas pelo estresse. Estudos confirmam que aqueles com maiores proporções de cortisol-para-DHEA têm mais ansiedade, distúrbios gerais do humor, maior confusão e menor desempenho de memória em tarefas visuais-espaciais.

DHEA protege a saúde do cérebro:

  • Níveis do abundante hormônio esteroide DHEA caem com o avançar da idade.
  • Estudos mostram agora que o DHEA insuficiente no organismo é um fator de risco para o declínio da função cognitiva e da memória, bem como transtornos do humor, incluindo depressão e ansiedade.
  • Suplementar DHEA é um meio comprovado de combater essas condições neurológicas.
  • O DHEA também atenua condições que contribuem para o declínio cognitivo, como a síndrome metabólica e suas consequências, incluindo diabetes e doenças cardiovasculares.
  • Em combinação, os efeitos diretos do DHEA no cérebro, assim como seus efeitos indiretos através da redução das disfunções cardiometabólicas, o tornam um suplemento ideal para sustentar uma mente saudável em um corpo saudável.

Como funciona: Estudos em animais estão lançando alguma luz sobre os mecanismos específicos envolvidos nos efeitos benéficos do DHEA na cognição, memória e humor.

Um estudo mostrou que o DHEA ligou a expressão de genes responsivos a esteroides em estreita correlação com o desempenho cognitivo, o que sugere que o DHEA opera, pelo menos em parte, modulando a expressão gênica em células cerebrais.

Um estudo de 2017 mostrou que o tratamento com DHEA em ratos de meia-idade submetidos a estresse crônico leve (uma causa de problemas cognitivos e de memória) aumentou o número de células cerebrais específicas, além de melhorar a maturação das múltiplas projeções ramificadas dessas células (dendritos). Aumentar essas conexões ajuda as células cerebrais a manter a cognição e a memória normal diante de conexões perdidas com o envelhecimento e a doença.

Mas outros fatores provavelmente estão atuando na proteção cerebral induzida pelo DHEA. Dois dos mais importantes são o seu impacto nos distúrbios metabólicos (diabetes, obesidade) e doenças cardiovasculares (aterosclerose, disfunção endotelial), uma vez que essas áreas têm consequências conhecidas no cérebro.

ALGUNS MEDICAMENTOS DISPONIVEIS EM NOSSO SITE:

Focus Fórmula (Foco e Concentração): Focus Fórmula é um suplemento dietético avançado projetado para ajudar a apoiar a memória, recordação, foco mental e concentração. Os ingredientes naturais da Focus Formula foram selecionados para ajudar especificamente o cérebro a funcionar da melhor maneira possível. A Focus Formula combina três ingredientes principais, DHA, Huperzine A e Vinpocetine, para fornecer uma das fórmulas mais eficazes para o aprimoramento do cérebro.

A composição de Focus Formula também conta com a Huperzina-A, utilizada há anos pela medicina chinesa para tratar a demência senil, e sua utilização representa um poderoso aliado na prevenção do Alzheimer e na ajuda para a melhora do desempenho cerebral.

Objetivo: Melhorar a saúde do cérebro, aumentar a clareza e a agilidade mental e promover a circulação no cérebro.

Por que tomar:

  • Focus Formula é a fórmula de suporte cerebral mais poderosa e completa já desenvolvida.
  • O suplemento contém uma série de nutrientes e antioxidantes cientificamente estudados que supostamente ajuda a obter uma vantagem mental.
  • É muito mais acessível do que a maioria das outras opções.
  • A maioria das análises da Focus Formula de clientes encontradas nos sites dos varejistas é bastante positiva.
  • A fórmula inclui vitaminas e alguns dos outros compostos que esperamos encontrar nos suplementos de memória.

Benefícios:

  • Ajuda a melhorar a concentração.
  • Ajuda seu cérebro a ter memória, recordação, concentração e foco mental.
  • Aumenta a energia e a atenção.
  • Suporta fluxo sanguíneo.

Omega-7 Purificado 210mg (Ácido Graxo) Life Extension: Omega-7 Purificado (Ácido Graxo) Life Extension é uma fórmula totalmente natural que apoia fatores metabólicos saudáveis. Os cientistas estão cada vez mais entusiasmados com os efeitos recentemente descobertos de outra família de gorduras benéficas - ácidos graxos ômega-7. O ácido palmitoleico ômega-7 complementa poderosamente os ácidos graxos ômega-3 com propriedades de sinalização celular que promovem saúde do coração, apoiam uma resposta anti-inflamatória saudável, otimizam o metabolismo normal da glicose e da insulina e modulam favoravelmente a fome e a saciedade. Experimente Omega-7 Purificado (Ácido Graxo) Life Extension a partir de óleo de peixe altamente purificado - um omega-7 avançado e concentrado a 50% de ácido palmitoleico.

Benefícios:

  • Apoia fatores metabólicos saudáveis;
  • Mantém a saúde cardiovascular superior;
  • Suporta uma resposta inflamatória saudável;
  • Otimiza o metabolismo normal da glicose e da insulina;
  • Gere a fome e a saciedade de forma benéfica.

Estudos científicos mostram que o ácido palmitoleico promove níveis saudáveis de triglicerídeos, colesterol total, LDL e HDL para aqueles que já estão no intervalo normal - após apenas um mês de suplementação a 210 mg. Estudos posteriores descobriram que dentro do intervalo normal, o ácido palmitoleico pode ajudar a equilibrar os níveis de proteína creativa, otimizar a sensibilidade à insulina e regular os hormônios gástricos que promovem a fome.

O suplemento Omega-7 Purificado (Ácido Graxo) Life Extension contém Provinal® - um óleo de anchova e/ou menhaden altamente refinado que não é OGM (transgênico). Os métodos convencionais de processamento resultam em produtos com apenas 25% de ácido palmitoleico. Então, experimente o Omega-7 Purificado (Ácido Graxo) Life Extension a partir de óleo de peixe altamente purificado.

Cognitex Life Extensions (Memória e Concentração): Cognitex Life Extensions é uma versão básica conveniente e rentável de fórmula Cognitex original de Life Extension. Fonte de alfa-glyceryl fosforilcolina (alfa-GPC) e fosfatidilserina, sendo que ambos são fundamentais para a função de neurotransmissor adequada e para saúde cognitiva ideal. Alfa-glicerilo fosforilcolina é um precursor para o neurotransmissor acetilcolina, que está naturalmente presente em todas as células do corpo e desempenha papéis importantes no cérebro.

Vinpocetina 10mg (Memória Saudável) Vitamin Shoppe: Suplemento herbal com extrato padronizado para 60mg por porção. Promove a função saudável do cérebro. Fórmula vegetariana. Ginkgo Biloba ajuda a manter uma circulação sanguínea saudável na região do cérebro. Além disso, ginkgo ajuda a melhorar a memória, especialmente quando dos eventuais problemas de memória leve associadas ao envelhecimento.

Ginkgo também possui propriedades antioxidantes que podem ajudar a combater os radicais livres no corpo. Para melhorar a bioatividade do ginkgo, nós adicionamos 400mg de folha de ginkgo por porção.

Sem cores artificiais, sabores ou adoçantes, sem conservantes, sem açúcar, sem amido, sem leite, sem lactose, sem soja, sem glúten, se trigo, sem peixe, sem sódio.