Sistema Cardiovascular

Itens 1 para 15 de 30 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

Itens 1 para 15 de 30 total

por página
Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela  Lista 

Direção Descendente

O QUE É:

O sistema cardiovascular ou circulatório é uma vasta rede de tubos de vários tipos e calibres, que põe em comunicação todas as partes do corpo. Dentro desses tubos circula o sangue, impulsionado pelas contrações rítmicas do coração.

O sistema cardiovasculartambém chamado de sistema circulatório, é o sistema responsável por garantir o transporte de sangue pelo corpo, permitindo, dessa forma, que nossas células recebam, por exemplo, nutrientes e oxigênio. Esse sistema é formado pelo coração e pelos vasos sanguíneos.

COMPONENTES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR:

O sistema cardiovascular é composto pelas seguintes estruturas:

Coração: órgão responsável por garantir o bombeamento do sangue;

Vasos sanguíneos: são tubos por onde o sangue passa. Os três principais tipos de vasos sanguíneos são: artérias, veias e capilares.

CORAÇÃO:

O coração dos seres humanos, assim como o dos outros mamíferos, é um órgão muscular formado por quatro câmaras: dois átrios e dois ventrículos. Os átrios são as câmaras responsáveis por garantir o recebimento do sangue no coração, enquanto os ventrículos são as câmaras responsáveis por garantir o bombeamento do sangue para a fora do coração.

No lado esquerdo do coração, percebe-se a presença apenas de sangue rico em oxigênio, enquanto do lado direito observa-se a presença apenas de sangue rico em gás carbônico. No coração, há ainda a presença de quatro válvulas que impedem o refluxo do sangue, permitindo, desse modo, um fluxo contínuo.

O coração apresenta três camadas ou túnicas: o endocárdio, o miocárdio e o epicárdio. O endocárdio é a camada mais interna. O miocárdio é a camada média, a qual é formada por tecido muscular estriado cardíaco, sendo ela, portanto, a responsável por assegurar que o sangue seja bombeado adequadamente devido às contrações musculares. O miocárdio é a camada mais espessa do coração. Por fim, temos o epicárdio, que é a camada mais externa. É no epicárdio que se acumula a camada de tecido adiposo que geralmente envolve o órgão.

O coração é capaz de contrair e também de relaxar, sendo chamada a contração de sístole e o relaxamento de diástole. Quando ele contrai, bombeia sangue e quando relaxa, enche-se de sangue. Nos seres humanos, os batimentos cardíacos originam-se no próprio coração. A região que origina o batimento cardíaco é chamada de nó sinoatrial e ele é caracterizado por ser um aglomerado de células que produzem impulsos elétricos.

FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR:

Transporte de gases: Os pulmões, responsáveis pela obtenção de oxigênio e pela eliminação de dióxido de carbono, comunicam-se com os demais tecidos do corpo por meio do sangue.

Transporte de nutrientes: No tubo digestório, os nutrientes resultantes da digestão passam através de um fino epitélio e alcançam o sangue. Por essa verdadeira "auto-estrada", os nutrientes são levados aos tecidos do corpo, nos quais se difundem para o líquido intersticial que banha as células.

Transporte de resíduos metabólicos: A atividade metabólica das células do corpo origina resíduos, mas apenas alguns órgãos podem eliminá-los para o meio externo. O transporte dessas substâncias, de onde são formadas até os órgãos de excreção é feito pelo sangue.

Transporte de hormônios: Hormônios são substâncias secretadas por certos órgãos, distribuídas pelo sangue e capazes de modificar o funcionamento de outros órgãos do corpo. A colecistocinina, por exemplo, é produzida pelo duodeno, durante a passagem do alimento, e lançada no sangue. Um de seus efeitos é estimular a contração da vesícula biliar e a liberação da bile no duodeno.

Intercâmbio de materiais: Algumas substâncias são produzidas ou armazenadas em uma parte do corpo e utilizadas em outra parte. Células do fígado, por exemplo, armazenam moléculas de glicogênio, que, ao serem quebradas, liberam glicose, que o sangue leva para outras células do corpo.

Transporte de calor: O sangue também é utilizado na distribuição homogênea de calor pelas diversas partes do organismo, colaborando na manutenção de uma temperatura adequada em todas as regiões; permite ainda levar calor até a superfície corporal, onde pode ser dissipado.

Distribuição de mecanismos de defesa: Pelo sangue circulam anticorpos e células fagocitárias, componentes da defesa contra agentes infecciosos.

Coagulação sanguínea: Pelo sangue circulam as plaquetas, pedaços de um tipo celular da medula óssea (megacariócito), com função na coagulação sanguínea. O sangue contém ainda fatores de coagulação, capazes de bloquear eventuais vazamentos em caso de rompimento de um vaso sanguíneo.

CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA:

O sangue chega ao coração pelo átrio direito por meio das veias cavas. Esse sangue é rico em gás carbônico e pobre em oxigênio. Esse sangue desoxigenado segue, então, para o ventrículo direito. Do ventrículo direito, é bombeado para os pulmões via artérias pulmonares.

Nos pulmões, ocorre o processo de hematose, o sangue até então rico em gás carbônico, recebe oxigênio proveniente da respiração pulmonar. O sangue rico em oxigênio volta ao coração via veias pulmonares, chegando a esse órgão pelo átrio esquerdo. Do átrio, ele segue para o ventrículo esquerdo.

Do ventrículo esquerdo, o sangue segue para o corpo, saindo do coração pela artéria aorta. O sangue então segue para os vários órgãos e tecidos do corpo. Nos capilares, ocorrem as trocas gasosas. O oxigênio presente no sangue passa para os tecidos e o gás carbônico produzido na respiração celular passa para o sangue.

Os capilares reúnem-se formando vênulas, que formam as veias, as quais seguem levando o sangue pobre em oxigênio para o coração. As veias cavas superior e inferior garantem que o sangue rico em gás carbônico seja levado até o átrio direito.

VASOS SANGUÍNEOS:

Os vasos sanguíneos são um grande sistema de tubos fechados por onde o sangue circula. Os três principais vasos sanguíneos encontrados no corpo são as artérias, veias e os capilares. Veja, a seguir, algumas características básicas desses três vasos:

Artérias: As artérias são vasos que levam o sangue, a partir do coração, para os órgãos e tecidos do corpo. Nesses vasos, o sangue corre em alta pressão. As artérias ramificam-se em arteríolas.

Capilares: São vasos sanguíneos muito delgados que garantem a troca de substâncias entre o sangue e os tecidos do corpo.

Veias: Os capilares sanguíneos convergem para as chamadas vênulas, as quais convergem para as veias. As veias são os vasos que garantem que o sangue retorne ao coração. Nesses vasos, o sangue corre em baixa pressão e para evitar o refluxo do sangue as veias são dotadas de valvas.

TIPOS DE CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA:

Circulação Pulmonar:  A circulação pulmonar transporta o sangue com pouco oxigênio até os pulmões. Quando chega nesse órgão, o sangue gás carbônico e recebe oxigênio, tornando-se oxigenado. Depois disso, o sangue volta ao coração - ao lado esquerdo - e é bombeado para todo corpo.

Circulação Sistêmica: A circulação sistêmica é a responsável pelo bombeamento de sangue a partir do coração para o corpo todo. Ela possui duas funções: levar oxigênio e nutrientes para as células e recolher o gás carbônico presente nas células. A circulação sistema acontece através da aorta - a maior e mais importante artéria do corpo.

DOENÇAS CARDIOVASCULARES:

Doença Cardíaca Inflamatória: Trata-se da inflamação do músculo cardíaco (miocardite), que pode causar dilatação cardíaca, trombos na parede cardíaca, infiltração das células sanguíneas circulantes, ao redor das coronárias e entre as fibras musculares.

Doença Cardíaca Coronariana: Ocorre devido a problemas em vasos que irrigam o coração. Inclui o infarto agudo do miocárdio (IAM) e a doença aterosclerótica (placa de gordura nas artérias). O acúmulo de gordura na parede dos vasos já tem início na vida intra uterina, devido a desregulação nos níveis de colesterol, avaliada através do exame de perfil lipídico.

Doença Reumática: É causada pela infecção pelo Streptococcus pyogenes Beta-Hemolítico do Grupo A, que, quando não tratada corretamente, pode afetar o músculo e as valvas cardíacos.

Acidente Vascular Cerebral: O Acidente Vascular Cerebral, conhecido como AVC, é a interrupção do suprimento sanguíneo de alguma área do cérebro e pode ocorrer de duas formas: a isquêmica, quando um trombo ou placa de gordura ocluem um vaso, ou a hemorrágica, quando o vaso se rompe e deixa de irrigar a área correspondente.

Doença Cardíaca Hipertensiva: Aqui encontra-se as patologias que se desenvolvem em decorrência da pressão alta do paciente e incluem insuficiência cardíaca, cardiomegalia e doença arterial coronariana.

COMO EVITAR AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES:

Cuide da alimentação: Uma das maneiras mais eficazes de prevenir doenças cardiovasculares é cuidando da alimentação.

O consumo de alimentos ricos em gordura ajudam a formar as chamadas “placas ateroscleróticas”, que resultam na obstrução das artérias e no comprometimento do fluxo sanguíneo.

O sal contribui para elevar a pressão arterial, fazendo com que o coração bata com mais força para conseguir manter o sangue circulando pelo corpo.

Assim, o mais indicado é evitar produtos industrializados e fast foods, ricos nesses dois componentes, e priorizar o consumo de alimentos naturais, como frutas, legumes, verduras, carnes magras, além de bons grãos e cereais.

Pratique atividades físicas: A prática de atividades físicas é uma forma de prevenir não apenas as doenças cardiovasculares, mas diversas outras, além de promover mais qualidade de vida, com resultados positivos para o corpo e para a mente.

A indicação são os exercícios aeróbicos, no mínimo, 3 vezes por semana, tais como corrida, caminhada, ciclismo, natação, dança, entre outros.

Mas, atenção: consulte sempre com seu médico para orientação sobre a atividade adequada. Afinal, existem alguns casos em que o exercício físico não é a melhor opção para o coração.

Controle o peso: Consequência da má alimentação e da falta de atividades físicas, estar acima do peso contribui para o desencadeamento de diversas doenças cardiovasculares, por exemplo, hipertensão e colesterol alto.

Evite cigarro e consumo de bebidas alcoólicas: Além de causar doenças como hepatite, cirrose hepática, câncer no esôfago, faringe, fígado, entre outros, o álcool contribui para o desencadeamento de doenças cardiovasculares, a exemplo do infarto e da insuficiência cardíaca.

O motivo é que a substância causa danos às células do coração, além de estar associada a arritmias e à obstrução das artérias.

Já o tabagismo, além de câncer de pulmão e outros tipos, contribui para o estreitamento das artérias e para a elevação da pressão arterial. Somado a isso, o dióxido de carbono do cigarro obriga o coração a trabalhar mais para gerar níveis maiores de oxigênio para o organismo.

Procure maneiras de reduzir o estresse: Com a rotina cada vez mais agitada, chega a ser difícil fugir de situações de estresse, por menores que elas sejam. Mas é importante saber que esse quadro provoca uma série de alterações no organismo que podem contribuir para o surgimento de diversas patologias, por isso, precisa ser controlado.

Entre as consequências que têm ligação direta com as doenças cardiovasculares está o aumento da pressão arterial, decorrente da descarga de adrenalina disparada pelas glândulas suprarrenais quando estamos em condições estressantes.

Faça acompanhamento médico: Algumas das doenças cardiovasculares são silenciosas,só são diagnosticadas quando a pessoa passa por algum tipo de exame clínico. Justamente por esse motivo é tão importante ter acompanhamento médico periódico.

Testes sanguíneos para verificar taxas de colesterol, nível de glicose, de triglicérides e de vitaminas, são apenas alguns exemplos de exames laboratoriais que o médico pode solicitar. Além desses, o teste ergométrico, ou de esforço, avalia o sistema cardiovascular e traz um panorama completo da saúde do coração.

Além do check-up anual, é fundamental também controlar a pressão arterial com uma periodicidade maior, principalmente quando se tem histórico de doenças cardiovasculares na família — para quem é hipertenso, a recomendação é realizar a verificação a cada 3 meses, ou de acordo com a orientação do cardiologista.

SINTOMAS DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES:

Muitas das DCVs não produzem sintomas até o momento em que se tornam um problema eminente de saúde, como o infarto agudo do miocárdio. Por este motivo a prevenção é o melhor modo de evitar uma complicação. 

O IAM e o AVC são as doenças cardiovasculares que necessitam de imediata resolução e devem ser identificados assim que começam a demonstrar sinais de complicação. 

Infarto Agudo do Miocárdio: Dor ou desconforto no centro do peito,dor ou desconforto nos braços, no ombro esquerdo, cotovelos, mandíbula ou costas.

Além desses, a pessoa também pode apresentar dificuldade para respirar; náuseas e vômitos; sensação de desmaio; sudorese fria; palidez. Mulheres apresentam, mais comumente, sinais como: dificuldade para respirar, náuseas, vômitos, dor nas costas e na região da mandíbula.

Acidente Vascular Cerebral (AVC): Os sintomas mais comum são fraqueza súbita de músculos da face, braço ou perna, ocorrendo, em maior parte, em um lado do corpo. 

Outros sintomas incluem:

  • Dormência de face, braço ou perna, principalmente em um lado do corpo;
  • Confusão e dificuldade de falar ou entender o que é falado;
  • Dificuldade de enxergar com um ou ambos os olhos;
  • Dificuldade em andar, sonolência e perda de coordenação ou equilíbrio;
  • Dor de cabeça severa sem causa conhecida;
  • Desmaios ou estado inconsciente.

ALIMENTOS ALIADOS DO CORAÇÃO:

Há alimentos que, pela sua composição nutricional, podem ser especialmente importantes para determinados órgãos. No caso do coração e sistema cardiovascular - isto é, os vasos sanguíneos que percorrem todo o nosso corpo - os alimentos que contêm ácidos gordos ómega-3, como é o caso do salmão, podem ser particularmente benéficos. Ou até a aveia, pelo seu elevado teor de fibra. Além destes, há mais oito alimentos amigos do coração e que deve incluir na sua dieta.

Salmão: É rico em ácidos gordos ómega-3, que evitam a formação das placas que obstruem as artérias, reduzem o colesterol e combatem os triglicéridos, sendo por isso um alimento com uma alta proteção cardiovascular.

Linhaça: É considerada um alimento funcional. Isto significa que, além de seus nutrientes básicos, contém elementos que podem diminuir o risco de algumas doenças através do aumento da defesa orgânica e redução do ritmo de envelhecimento celular.

É uma fonte de ácidos gordos ómega-3 e 6 (antioxidantes) e fibras, que ajudam a regular o colesterol e a glucose (níveis de açúcar) no sangue.

Maçã: Rica em pectina, uma fibra solúvel que reduz a glicemia (níveis de açúcar no sangue), impede a absorção de gorduras e elimina o colesterol.

Diariamente, ingira entre cinco a seis porções de fruta. Além de uma excelente sobremesa, uma peça de fruta é um ótima opção para as refeições intermédias.

Leguminosas:  As lentilhas, o grão e o feijão contêm fibras e ácidos gordos ómega-3 e cálcio e são muito saciantes.

Vinho tinto:  O resveratrol é uma substância encontrada na casca das uvas, com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Os principais benefícios são a redução do colesterol LDL (o “mau colesterol”) e aumento do HDL (o “bom colesterol”), sendo, desta forma, considerado como uma substância com um papel protetor a nível cardiovascular.

Aveia:  A aveia possui na sua composição fibras solúveis e insolúveis. As fibras solúveis são responsáveis pela diminuição da absorção do colesterol e açúcares e pela prevenção de doenças cardiovasculares. Já as insolúveis aceleram o trânsito intestinal, reduzem o risco de desenvolvimento de cancro no intestino e retardam o esvaziamento gástrico, que resulta numa maior saciedade.

Frutos secos:  Do ponto de vista nutricional, e embora sendo alimentos ricos em gordura, os frutos secos são saudáveis porque a maior parte da gordura que os compõe é monoinsaturada. Esta tem um papel protetor a nível cardiovascular, diminuindo os níveis sanguíneos do colesterol LDL, o “mau”, e aumentando o HDL, o “bom colesterol”.

Espinafres: Os espinafres são ricos em flavonoides, que funcionam como antioxidantes e como agentes anticancerígenos.

À semelhança de outros vegetais de folha verde-escura, contêm luteína, magnésio, folato, fibra e potássio. E não se esqueça: todos os dias, ingira entre cinco a seis porções de vegetais.

Azeite: É uma gordura rica em ácidos gordos monoinsaturados, sendo por isso considerada das mais saudáveis, já que os seus benefícios na prevenção das doenças cardiovasculares estão comprovados cientificamente.

Frutos vermelhos:  Ricos em antioxidantes, os frutos vermelhos contribuem para a eliminação de toxinas presentes no organismo, protegem-nos contra as infeções e contribuem de alguma forma na prevenção do envelhecimento prematuro.

VITAMINAS B6 ALIADAS A CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA:

A vitamina B6 também conhecida como piridoxina compõe o complexo B. Ela é necessária para o funcionamento adequado de mais de sessenta enzimas e essencial para a síntese normal do ácido nucléico e das proteínas. Participa da multiplicação de todas as células e da produção das hemácias e das células do sistema imunológico. Influencia o sistema nervoso através de seus efeitos sobre vários minerais e neurotransmissores cerebrais.

A principal função metabólica da vitamina B6 é como coenzima. Tem um papel importante no metabolismo das proteínas, hidratos de carbono e lipídios. As suas principais funções são: a produção de epinefrina, serotonina e outros neurotransmissores, a formação do ácido nicotínico da vitamina, a decomposição do glicogénio e o metabolismo dos aminoácidos.

Além disso, a vitamina B6 faz a quebra do glicogênio, ajuda na formação da hemoglobina, anticorpos e certos hormônios. Promove o bom funcionamento do sistema nervoso e imunológico e proporciona pele, músculo e sangue saudáveis. Ajuda na degradação da homocisteína, uma substância que, em excesso na circulação sanguínea, pode causar doenças cardiovasculares.

Aliada do cérebro: A falta da vitamina B6 pode causar Nevrite periférica e degeneração nervosa. Esta vitamina influencia na formação da bainha de mielina, que envolve as células nervosas do cérebro. Assim, uma alimentação rica em B6 se mostra aliada contra perda de memória e diminuição cognitiva relacionada com a idade, diminuindo o risco de Alzheimer.

Boa para o coração: Estudos sugerem que uma ingestão deficiente de vitamina B6 aumenta os riscos de doenças cardíacas. Afinal, esta vitamina diminui os níveis de homocisteina no sangue, que está relacionado com doenças cardíacas.

COEZIMA Q10 NO SISTEMA CARDIOVASCULAR:

A coenzima Q10 é o melhor nutriente que pode tomar para proteger o sistema cardiovascular. A coenzima Q10 é a chave para a saúde cardiovascular ideal. A CoQ10 é também um potente antioxidante. Ajuda a reforçar o sistema imunitário e, segundo alguns estudos recentes, intervém positivamente na evolução de determinados cancros.

O que é:

Coenzima é uma substância orgânica não proteica necessária ao funcionamento de certas enzimas. A parte proteica de uma enzima chama-se APOenzima e o conjunto completo de APOenzima e coenzima chama-se HOLOenzima ou simplesmente enzima. Uma coenzima pode se destacar de sua respectiva apoenzima para designar função específica (o exemplo mais comum é o NAD e o FAD, ambas coenzimas de holoenzimas desidrogenases que estabelecem importante papel no Ciclo de Krebs), porém, em caso de separação, a enzima propriamente dita fica inativa até que a coenzima e apoenzima constituam o conjunto novamente.

A Coenzina Q10 (CoQ10), também chamada de Ubiquinona, é uma benzoquinona presente em praticamente todas as células do organismo e que participa dos processos de produção de ATP. Por ser essencial a esse processo, órgãos com maior demanda energética (como o coração, o cérebro, os rins e o fígado) apresentam maiores concentrações de CoQ10.

Para que serve:

Além de ser excelente para a manutenção da saúde do coração, a Coenzima Q10 também é útil para quem deseja emagrecer.

Além disso, ela permite que você tenha um desempenho físico melhor porque proporciona uma maior fonte de energia. Sem contar que ela também é utilizada para tratar a pele, como um tonificante e hidratante.

A CoQ10 faz tudo isso ao mesmo tempo em que age como um poderoso antioxidante, combatendo as moléculas que apresentam perigo às células e prevenindo doenças sérias no organismo.

Tratamento de doenças:

A Coenzima Q10 tem grande importância no tratamento de desordens mitocondriais e neuromusculares, bem como doenças neurodegenerativas. Os estudos clínicos utilizando esse princípio ativo na neuroproteção vem apresentando resultados promissores para as doenças de Huntington, Alzheimer, Parkinson, ataxia de Friedreich, paralisia supranuclear progressiva e esclerose lateral amiotrófica.

Além de sua utilização em doenças neurodegenerativas, a coenzima Q10 é também utilizada no tratamento de doenças cardíacas como arteriosclerose, isquemia, insuficiência cardíaca crônica, (sistólica e diastólica), hipertensão, arritmias e doenças de Meniere.

Outras aplicações incluem: sua eficácia no tratamento e melhoria da qualidade do sêmen de homens com infertilidade idiopática, crianças com Síndrome de Down na tentativa de minimizar o desequilíbrio oxidativo encontrado nesses casos, pacientes com câncer de mama e mais recentemente, a sua utilização no tratamento de enxaqueca.

Benefícios:

Proporciona o bom funcionamento cardiovascular: Pra bombear o sangue para o corpo todo, o coração precisa realizar dois movimentos: sístole (contração) e diástole (relaxamento). Quando o ser humano chega a uma idade mais avançada, esses movimentos não funcionam mais como deveriam.

É por isso que o suplemento de Coenzima Q10 é importante. Ele ajuda a manter os batimentos cardíacos estáveis, além de permitir que todo o sistema vascular fique mais saudável.

Controla as taxas de colesterol:  A Coenzima Q10 consegue reduzir os níveis de LDL e ao mesmo tempo elevar ou manter a quantidade de HDL.

Isso é fundamental porque o colesterol LDL é considerado ruim e prejudicial ao corpo (podendo entupir artérias e gerar doenças graves), enquanto o HDL é tido como bom e benéfico.

Melhora o desempenho físico: A CoQ10 participa da produção de ATP, uma célula capaz de armazenar e servir como fonte de energia. Ela também consegue auxiliar o fluxo sanguíneo, levando o oxigênio e a energia para os lugares necessários, em especial os tecidos musculares.

Tudo isso faz com que o seu desempenho físico melhore, o que permite que o seu coração trabalhe bem. Além disso, fica menos difícil perder peso.

Potente função antioxidante: A Coenzima Q10 tem como uma de suas maiores funções agir como um antioxidante e destruir os radicais livres, moléculas que oxidam as células, causando envelhecimento precoce e outras doenças diversas, inclusive câncer.

Colabora com a imunidade do corpo: O sistema imunológico é o responsável por proteger nosso corpo contra agentes externos perigosos e causadores de doenças. A CoQ10 auxilia nessa função ao protegê-lo para que ele consiga realizar suas ações da maneira correta.

Indicação:

  • Doenças cardiovasculares como insuficiência cardíaca, insuficiência coronariana;
  • Hipertensão arterial;
  • Prolapso da válvula mitral;
  • Síndrome da isquemiareperfusão;
  • Estenose aórtica;
  • Doenças periodontais;
  •  Deficiências imunológicas;
  • Doenças neuromusculares;
  • Doenças pulmonares crônicas;
  • Tratamentos ortomoleculares como antioxidante e suplemento nutricional (já que com a idade diminui a sua concentração no organismo);
  • Indicada no tratamento de doenças degenerativas, cerebrovasculares.

Estudos:

Alguns estudos provaram que a CoQ10 age como um bom complemento em tratamentos contra insuficiência cardíaca crônica, diabetes, mal de Parkinson, distrofias musculares e outras doenças crônicas.

Outro estudo interessante com a Coenzima Q10, realizado com indivíduos que sofrem de enxaqueca, mostrou que o suplemento ajudou a reduzir a quantidade de crises, assim como diminuiu o número de sintomas.

Um estudo feito apenas com pessoas que têm insuficiência cardíaca crônica observou que a suplementação de CoQ10 foi bem útil para aumentar a quantidade de movimentos cardíacos, a emissão de sangue e o desempenho físico.

BENEFÍCIOS DO VINHO PARA SAÚDE:

O vinho cria um escudo natural no nosso organismo. Segundo pesquisas da Sociedade Europeia de Cardiologia, basta uma taça por dia para diminuir em pelo menos 11% o risco de infecção por bactérias que causam uma série de doenças, como úlceras, gastrites, infecções e até mesmo alguns tipos de câncer.

Aumenta a saúde do coração: Compostos ativos no vinho tinto, incluindo polifenóis, resveratrol e quercetina, provaram ter propriedades cardioprotetoras. Numerosos estudos transversais, observacionais e controlados mostram que beber quantidades moderadas de vinho tinto tem efeitos benéficos em muitos aspectos diferentes relacionados à doença cardiovascular.

Pesquisas mostram que os nutrientes antioxidantes do vinho tinto podem retardar a progressão da aterosclerose, um tipo de arteriosclerose que ocorre quando há acúmulo de gorduras, colesterol e placa nas paredes das artérias.

Um estudo, publicado no International Journal of Molecule Medicine, descobriu que a ingestão moderada de álcool, especialmente vinho tinto, diminuiu a mortalidade cardíaca devido à aterosclerose, mas pessoas que não beberam vinho tinto e pessoas que bebiam em demasiado estavam em maior risco de mortalidade cardíaca.

Melhora o Colesterol: De acordo com um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition, o consumo de vinho foi associado a um aumento significativo do colesterol HDL, com os participantes vendo seus níveis melhorarem em 11% a 16%.

Outro estudo, conduzido na Universidade Curtin, na Austrália, descobriu que o consumo regular de vinho tinto reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares ao diminuir os níveis de colesterol LDL em mulheres na pós-menopausa em 8% e aumentar os níveis de colesterol HDL em 17%.

Combate os danos dos radicais livres: A acumulação de radicais livres desempenha um papel importante no desenvolvimento de doenças crônicas e degenerativas, incluindo câncer, doenças auto-imunes, artrite reumatoide, doenças cardiovasculares e doenças neurodegenerativas. Os antioxidantes presentes no vinho tinto ajudam a neutralizar o estresse oxidativo ao agir como sequestradores de radicais livres que previnem e reparam os danos causados pela oxidação. Antioxidantes aumentam as defesas imunológicas do corpo e diminuem o risco de desenvolver várias condições de saúde graves.

Devido à sua capacidade de combater os danos dos radicais livres, o resveratrol encontrado no vinho tinto tem a capacidade de bloquear o processo de várias etapas da carcinogênese, incluindo os vários estágios de iniciação, promoção e progressão do tumor. O resveratrol está envolvido na regulação negativa das respostas inflamatórias do corpo.

Ajuda a gerenciar o diabetes: Pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst descobriram que o vinho tinto pode retardar a passagem da glicose através do intestino delgado e, eventualmente, para a corrente sanguínea, ajudando a prevenir o aumento dos níveis de açúcar no sangue experimentado por pacientes com diabetes tipo 2. Esta pesquisa prova que, devido aos benefícios do vinho tinto, ele pode realmente fazer parte de um plano de dieta para diabéticos quando consumido com moderação.

Ambos os vinhos tintos e brancos foram testados para determinar quão bem eles poderiam inibir a atividade de uma enzima que é responsável por desencadear a absorção de glicose. Os pesquisadores descobriram que o vinho tinto era o vencedor, inibindo as enzimas em quase 100%, enquanto os valores para o vinho branco eram de cerca de 20%. A eficácia do vinho tinto foi tão significativa porque contém cerca de dez vezes mais polifenóis (um tipo de antioxidante) do que o vinho branco.

Além desses achados, o estudo encontrou outro benefício para o vinho tinto, que é o de não ter efeito sobre uma enzima pancreática que decompõe o amido e é necessária para evitar os efeitos colaterais dos medicamentos para o açúcar no sangue.

Combate Obesidade e Ganho de Peso: Um estudo realizado na Purdue University descobriu que o vinho tinto pode ajudar a combater a obesidade. Isto é devido a um composto encontrado em uvas e outras frutas (como mirtilos e maracujá) chamado piceatannol, que tem uma estrutura química semelhante ao resveratrol. Segundo os pesquisadores, piceatannol bloqueia a capacidade de uma célula adiposa imatura de se desenvolver e crescer. Verificou-se também que altera o tempo de expressão dos genes, funções dos genes e funções da insulina durante o processo metabólico das células adiposas.

Pode ajudar a prevenir a doença de Alzheimer: Pesquisas indicam que as pessoas que comem uma dieta mediterrânea, composta de vinho tinto, vegetais, legumes, frutas, peixe e azeite, têm um risco 28 por cento menor de desenvolver transtorno cognitivo leve e um risco 48 por cento menor de progressão do comprometimento cognitivo leve para Doença de Alzheimer.

Há ainda mais pesquisas sobre o vinho tinto especificamente como medida preventiva e tratamento natural para o Alzheimer. De acordo com uma pesquisa publicada no Frontiers in Aging and Neuroscience, o resveratrol pode controlar as principais características da doença de Alzheimer e retardar a progressão da demência. Isso se deve à capacidade do resveratrol de reduzir o estresse oxidativo e a inflamação e trabalhar como neuroprotetor.

BENÉFICIOS DO ÔMEGA 3 PARA O SISTEMA CARDIOVASCULAR:

Proteção cardiovascular: Entre os benefícios do ômega 3, um dos principais é contribuir para reduzir o risco de doenças no sistema cardiovascular. Neste sentido, o ômega 3 age de duas formas: o EPA (ácido eicosapentanoeico) atua diretamente nas plaquetas sanguíneas e ajuda a evitar o surgimento de coágulos no sangue, que podem levar a um enfarto ou a um derrame.

Esse ácido também ajuda a reduzir os triglicerídeos, uma gordura ruim para o organismo. Outro ácido presente no ômega 3, o DHA (ácido docosahexaenoico) também atua na prevenção de doenças cardiovasculares. Sua principal função é estabilizar a atividade elétrica no coração, o que, por sua vez, contribui para evitar doenças cardíacas.

Controle da pressão Arterial: Outro importante benefício do ômega 3 é evitar a formação de placas de gordura nas paredes arteriais, que podem obstruir a passagem do sangue, além de tornar as veias e artérias mais flexíveis. Por isso, o consumo de ômega 3 contribui para prevenir doenças como hipertensão, aterosclerose, derrame e infarto.

Combate ao colesterol alto: Os níveis elevados de colesterol LDL (ruim para o organismo) são uma preocupação de muitas pessoas. Embora o colesterol ruim seja associado à obesidade, é sabido que a má alimentação pode ser responsável por níveis elevados do mau colesterol mesmo em pessoas aparentemente em forma, o que mostra que o LDL pode ser um inimigo silencioso.

Quando em excesso, o LDL é depositado nas artérias e pode provocar o entupimento, o que aumenta o riscos de doenças como o infarto, o derrame cerebral e a hipertensão.

BENÉFICIOS DA PIMENTA  PARA O CORAÇÃO:

A pimenta contém substâncias,como a capsaicina que ajuda a queimar gordura do corpo, já que acelera o metabolismo, diminui os níveis de colesterol ruim (LDL) do sangue e evita o acúmulo de gordura na parede das artérias, protegendo o organismo das doenças cardiovasculares.

A pimenta vermelha, por exemplo, possui oxidantes, responsáveis por proteger o coração da velhice, combatendo os radicais livres.

Controle do colesterol: Com o consumo, os níveis do colesterol bom (LDL) e dos triglicerídeos ficam controlados. Assim, a pressão arterial também fica em dia.

Atua no sistema circulatório: Suas vitaminas A, C, algumas do complexo B, além do potássio e do cálcio fazem com que a pimenta seja ótima para o sistema circulatório. Suas substâncias impedem a formação de coágulos e aumentam o calibre dos vasos sanguíneos, diminuindo as chances de um ataque cardíaco ou AVC (acidente vascular cerebral).

Graças a este benefícios, a planta já está classificada como alimento funcional, o que significa que, além de seus nutrientes, possui componentes que promovem e preservam a saúde. A Pimenta deve ser sempre consumida em quantidade moderada, pois pode causar problemas digestivos graves.